RADAR INFOMONEY AO VIVO Império X, de Eike Batista, volta ao radar, com OSX subindo até 67% com fim da RJ; mas as ações têm futuro?

Império X, de Eike Batista, volta ao radar, com OSX subindo até 67% com fim da RJ; mas as ações têm futuro?

Que pessimismo?

Brasil terá verdadeira virada e será o lugar para estar em 2016, diz estrategista à CNBC

"A mudança dramática do cenário político está virando a favor do Brasil'', afirma o estrategista do Societe Generale, Larry McDonald, ao portal americano

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Uma das piores escolhas de investimentos possíveis em 2015 foi comprar ações brasileiras. De fato, entre os ETFs (Exchange Traded Funds) com mais de US$ 1 bilhão em valor de mercado, o brasileiro teve o pior desempenho do ano, com queda de 41%.

Quer saber onde investir em 2016? Veja no Guia Especial InfoMoney clicando aqui!

Mas uma virada pode acontecer em torno de 2016, se o head de estratégia do Societe Generale, Larry McDonald, estiver certo, conforme ele destaca ao portal americano CNBC.

Aprenda a investir na bolsa

“No primeiro trimestre, vamos ver uma verdadeira virada no Brasil, e então o Brasil vai ser um dos melhores lugares para se estar em 2016. A mudança dramática do cenário político está virando a favor do Brasil”, afirma o estrategista.

A reportagem da CNBC destaca que um ótimo negócio para o Brasil passou a dar errado recentemente. Como uma economia exportadora de commodities para a China, ela sofre com a desaceleração econômica do gigante asiático.

Além disso, o Brasil tem uma presidente impopular, Dilma Rousseff, cuja aprovação está por volta da casa de um dígito. Porém, o portal lembra que o Brasil está passando por um processo de impeachment, podendo culminar em um novo presidente mais pró-mercado.

Por outro lado, há o argumento de que a situação pode ficar muito pior para a economia nacional. 

Enquanto McDonald está animado, Max Wolff, da Manhattan Venture Partners, traça um cenário bem mais conservador. Para ele, os mercados emergentes vão passar por uma reconstrução lenta. Porém, ambos concordam em algo: os próximos movimentos dos países exportadores de commodities vão ser bastante cruciais em 2016.