Análise

Brasil só deverá superar a crise política em 2022 (sendo otimista)

No segundo bloco do programa especial sobre o legado de 2016 e as nebulosas perspectivas para o xadrez político no ano seguinte, Carlos Melo e Richard Back mostram o tamanho da crise de lideranças e os efeitos disso projetados nas próximas eleições

SÃO PAULO – O Brasil entrou em um ciclo vicioso em que a economia em recessão depende de alguma estabilidade vinda da política, mas a recuperação da crise política também depende de ventos mais favoráveis do mundo dos negócios. O impasse, associado ao cenário de baixa popularidade do governo, fragmentação partidária no Legislativo e os temores pelos efeitos das investigações e novas delações, criou uma onda de comparações entre o que se espera para 2017 e o que foi visto na primeira metade do ano que se encerra.

Essa é a narrativa que defendem o cientista político e professor do Insper Carlos Melo e o analista político da XP Investimentos Richard Back, entrevistados pela InfoMoneyTV na última terça-feira [para assistir ao primeiro bloco do programa, clique aqui].

Antes que se discutam os nomes cotados para a sucessão do presidente Michel Temer nas próximas eleições — ocorram elas em 2018 de forma direta, como previsto, ou de maneira antecipada, de modo indireto, caso o mandato seja abreviado por processo de impeachment ou cassação presidencial — a dupla de especialistas defende que se aguarde a passagem de tempestades como a das delações da Odebrecht para que seja possível identificar os sobreviventes em meio aos escombros.

PUBLICIDADE

“Só pode ser candidato em 2018 quem passar especialmente pelo primeiro semestre do ano que vem, que é quando deve ser levantado o sigilo da delação da Odebrecht. Quem sobreviver a isso vai ter que se reorganizar dentro dos partidos, tentar fazer algum tipo de reforma eleitoral até outubro; tentar organizar minimamente o jogo para 2018”, observou Back.

“O que temos que pedir aos céus é que a eleição não se dê dentro de um clima de populismo e soluções fáceis à direita e à esquerda”, afirmou o professor Melo. Para ele, qualquer solução para o impasse político brasileiro surgirá de um processo gradual e de longa gestação, muito dependente do próximo pleito eleitoral.

“Precisamos torcer para que emerjam deste processo duas ou três candidaturas capazes de chamar atenção para a dramaticidade da situação e tentar, a partir daí, compor um discurso que seja o de bom senso política e economicamente, mostrando que os próximos governos estaduais e federal serão de recomposição, de tentativa de reconstrução; não serão governos de solução. Imagino que nosso processo será com essas dificuldades todas, se tudo correr bem, até 2022”, complementou o cientista político.

Assista à íntegra do segundo bloco da entrevista especial: