Brasil: população está satisfeita com o País, revela CNI/Ibope

Para 73% dos entrevistados, País vai muito bem, enquanto 77% dessas pessoas estão otimistas para o próximo semestre

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A maioria dos brasileiros está muito satisfeita com o atual momento pelo qual o País atravessa e está otimista quanto ao futuro.
De acordo com pesquisa encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) ao Ibope e divulgada nesta terça-feira (13), 73% dos 2.002 entrevistados em 143 municípios do Brasil consideram o presente como bom (69%) e muito bom (4%), um ponto percentual acima da pesquisa divulgada em março (72%).

Quando perguntados sobre a expectativa para o restante de 2006, os brasileiros também foram otimistas. Em junho, 77% dos entrevistados disseram que o País estará bom (63%) e muito bom (14%) até o final do ano. Apesar do bom índice, esse número é três pontos percentuais abaixo do otimismo registrado em março, quando 80% dos consultados deram as mesmas respostas.

Inflação e desemprego

Muito desse otimismo se deve à expectativa quanto à queda da inflação. Em março deste ano, 42% dos brasileiros ouvidos apostavam que a inflação subiria – resultado seis pontos percentuais abaixo da previsão deste mês (36%).

Aprenda a investir na bolsa

Já a impressão de que o desemprego vai aumentar seguiu tendência inversa: enquanto 45% das respostas em junho disseram que mais postos de trabalho serão fechados nos próximos seis meses, esse índice era três pontos percentuais menor em março (42%).

Renda

O pessimismo também é verificado quanto à renda. Para os próximos seis meses, 25% da população acredita que a renda geral vai aumentar, enquanto essa era a resposta de 27% em março. Já para 47% das pessoas ela não vai mudar.

Quando à renda pessoal, a impressão da maioria (51%) é de que ela permanecerá estável nos próximos seis meses, mas o otimismo também é menor. Cerca de 29% das pessoas apostam em aumento da renda, enquanto esse indicador batia nos 32% em março deste ano.

A margem de erro da pesquisa, que também avaliou o governo Lula, é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.