Brascan revê projeções para a Copel com base em novas premissas macroeconômicas

Ainda há espaço para valorização dos papéis no próximo ano apesar do desempenho de 2009, diz corretora

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Revendo suas premissas macroeconômicas e incorporando os últimos números divulgados pela empresa, a Brascan Corretora está alterando seu preço-alvo para as ações da Copel (CPLE6) em 2010.

A nova meta dos analistas para dezembro de 2010 ficou em R$ 43,62, com recomendação de outperform – desempenho superior ao Ibovespa em pelo menos 5 pontos percentuais.

Para a corretora, ainda há espaço para uma valorização dos papéis no próximo ano, apesar do desempenho apresentado em 2009, “haja vista os números operacionais estimados para 2010 com significativos incrementos”.

Projeções

Aprenda a investir na bolsa

Apesar de perspectivas de manutenção das tarifas, a corretora projeta um crescimento de 8,8% na receita líquida da empresa em 2010, em comparação com este ano, impulsionado pelo aumento no volume de energia vendida nos mercados de atuação da companhia.

Por sua vez, o lucro líquido anual deverá atingir R$ 1,1 bilhão no próximo ano, o que representa um avanço de 6,5% em relação a 2009 e uma elevação de 2,9% frente à projeção anterior.

Oportunidades

Para o próximo ano, os principais catalisadores para a Copel, segundo a Brascan, deverão ser a elevada posição de caixa, que poderá ser utilizada para aquisição de novas empresas, e a retomada da economia, que deverá impulsionar a venda de energia no mercado livre.

Além disso, a corretora lembra que as eleições para o governo do Estado também “poderão representar uma nova visão de gestão para a Copel”.

Riscos

Passando para o lado negativo, a equipe de análise da Brascan identifica na manutenção da elevada posição de caixa um risco para a empresa, uma vez que, sem a elevação do payout ou a aquisição de novas companhias, esta poderá deteriorar a criação de valor aos acionistas.

PUBLICIDADE

“Novas intervenções políticas na gestão da companhia poderão aumentar a percepção de risco em relação ao investimento nas ações” destaca, por fim, a corretora.