Resumo político

Bolsonaro reencontra velhos problemas, Alckmin aposta em polarização com PT: os destaques da política nesta segunda

Apesar do recesso parlamentar e a ressaca da Copa, o mundo da política trabalha a todo vapor

arrow_forwardMais sobre

Apesar do recesso parlamentar e a ressaca da Copa, o mundo da política trabalha a todo vapor. No período de convenções, que vai até 5 de agosto, todo tipo de tese é lançada (ou mesmo relançada), mas aos poucos o cenário vai ficando mais claro.

Para Alckmin, o acerto com o centrão foi vital. O tucano voltou à avaliação de que haverá uma polarização PT x PSDB (link) e o grupo que o apoia agora quer nacionalizar sua candidatura (link). Vale lembrar que a aliança está quase fechada e detalhes nos estados precisam ser ajustados, o caso de Pernambuco é exemplo disso (link). É difícil se exigir congruência das alianças locais com a nacional e tais arranjos fazem parte do jogo da política. Por fim, o programa econômico continua tomando forma (link).

Ciro Gomes, agora isolado, busca caminhos alternativos. O primeiro passo é adotar o discurso de que rejeita o fisiologismo e criticar quem venceu essa batalha e reforçar sua base, o que foi feito na convenção do PDT que lançou seu nome (link). O segundo é procurar novos apoios. Uma chance remota seria uma aliança com Marina Silva (link).

Jair Bolsonaro viu nesse final de semana a reprodução de todos os problemas que envolvem sua candidatura. Depois de rejeitado por Magno Malta (PR) e dois generais, um do PRP e outro do PRTB (link), viu-se caminhando na direção de Janaína Paschoal (link), que por sua vez acabou disparando contra aliados do candidato (link). Em longa entrevista, reeditou polêmicas antigas e lançou algumas novas (link).

PT continua enrolado com sua candidatura. Lula reclamou novamente do movimento dos governadores que trabalham para que o partido apoie um candidato de outro partido (link). Há até quem defenda que, sem Lula, o partido não lance um substituto (link). Por outro lado, o partido conseguiu uma aliança com o PROS (link) e tem Fernando Haddad configurando um necessário programa que vá além da defesa pessoal de Lula (link).

PSB, entre a cruz e a espada, volta a falar de Joaquim Barbosa. É um movimento que seria aventado de qualquer maneira. Os relatos são de que o ex-ministro do STF continua rejeitando a candidatura.

Curtas: Henrique Meirelles continua confiante na sua candidatura (link). Será uma batalha difícil; Josué Gomes (PR), cotado para vice Alckmin, vai conversar com Pimentel sobre o cargo de vice-governador (link).

Faltam 76 dias para a eleição.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

PUBLICIDADE