Operação Lava Jato

Bolsonaro ironiza, Maluf comemora e Paulinho da Força se “prestigia”: as reações memoráveis à Lista de Fachin

Políticos reagiram de diferentes formas ao fato de seus adversários estarem na lista - ou pelo fato de estarem 

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O final da tarde da última terça-feira marcou um dos pontos altos da crise política, com a divulgação da tão esperada lista de Fachin pelo jornal O Estado de S. Paulo, envolvendo cerca de uma centena de políticos.

Após o vazamento da lista, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin liberou o sigilo e anunciou a autorização da abertura de investigação contra oito ministros do governo federal, três governadores, 24 senadores e 42 deputados federais, entre outros. Neste cenário, diversos políticos implicados foram a público em sua defesa, muito deles indo para as suas redes sociais contar a versão da história. 

Porém, nas redes sociais, alguns políticos acabaram chamando a atenção, ou por sua reação ao não estarem na lista (e seus adversários estarem) ou por ironizarem o fato de constarem na relação dos inquéritos autorizados por Fachin. 

Aprenda a investir na bolsa

No primeiro grupo, o grande destaque ficou para o deputado Jair Bolsonaro, cujo vídeo divulgado pouco depois da lista viralizou nas redes sociais. No vídeo, o parlamentar ironiza a presença do nome da deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) na lista de pedidos de abertura de inquérito, assim como o nome do também petista Carlos Zarattini. 

“Tem duas pessoas maravilhosas aqui [na lista]. O Carlos Zarattini e a Maria do Rosário. Mas o que é isso Maria do Rosário? A Papuda lhe espera”, disse o deputado, dando risadas. 

Outro deputado que ironizou a “lista do Fachin” foi Paulo Maluf (PP-SP). Conhecido como o “senhor rouba mas faz”, ele tem mostrado orgulho em estar de longe do turbilhão político da Lava Jato e deu mais uma demonstração disso na terça-feira, logo após a divulgação dos nomes. 

“Também não estou na nova lista e eu já sabia, pois sempre ocupei cargos públicos para trabalhar pelo povo e as obras que fiz são minhas testemunhas de que trabalhei muito. O tempo é senhor da verdade e a população sabe disso. Maluf Faz”.

Além do post, publicado no Facebook, Maluf esteve ativo ao comentar os seus seguidores na rede social e, inclusive, afirmou que não pretende se aposentar. 

PUBLICIDADE

Veja o post de Maluf no Facebook:

Já o citado Paulinho da Força (SD-SP) ironizou o fato de ser alvo de um dos inquéritos autorizados por Fachin. Ele afirmou que “quem tem de estar preocupado é quem não saiu na lista”. “Quem não apareceu está sendo considerado desprestigiado”, afirmou.

A investigação sobre Paulinho se baseia nas declarações prestadas pelos colaboradores Carlos Armando Guedes Paschoal, o CAP, e Alexandrino de Salles Ramos de Alencar.

Brasília está em polvorosa por conta da delação do fim do mundo, mas alguns políticos não se pronunciaram sobre o acontecimento. Nas redes sociais, o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) postou vídeos sobre a sua chegada a Coreia do Sul, onde participará de encontros em busca  por inovações, tecnologias e sistemas. Vale destacar que o nome de seu padrinho político, Geraldo Alckmin, está na delação e teve as suas citações enviadas por Fachin ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), enquanto outros nomes de seu partido, o PSDB, estão implicados na Lava Jato.