Repercussão

Bolsonaro diz que ‘situação é pior que pré-1964’ sobre soltura de Lula; 7 pré-candidatos se manifestam

"Estamos, eu entendo, num período pior que o pré-1964. Porque a esquerda naquela época não estava tão aparelhada como está hoje", disse

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Após a confusão que agitou o Brasil no último domingo (8), com uma série de liminares contrárias gerando uma disputa sobre a soltura do ex-presidente Lula, os pré-candidatos à presidência se pronunciaram sobre o caso, com o deputado Jair Bolsonaro chegando a comparar o cenário atual com o período pré-ditadura.

Em entrevista para a Folha de S. Paulo, o deputado disse que a decisão de soltar o ex-presidente ajuda a criar clima de instabilidade que pode levar a uma ruptura. “Estamos, eu entendo, num período pior que o pré-1964. Porque a esquerda naquela época não estava tão aparelhada como está hoje”, disse.

Na manhã de domingo, o desembargador de plantão no TRF-4, Rogério Favreto, que foi filiado ao PT por quase 20 anos, acatou um pedido de habeas corpus e mandou soltar Lula, iniciando uma disputa que durou o dia todo com diversas ordens em sentidos opostos. O juiz Sérgio Moro se negou a cumprir a liminar e encaminhou o caso para o relator no Tribunal, João Pedro Gebran Neto, que mandou o ex-presidente permanecer preso, mesmo assim o caso seguiu e só foi encerrado quando o presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson Flores, deu decisão contra a soltura.

PUBLICIDADE

Marina Silva emitiu uma nota à imprensa afirmando que “a atuação excepcional do magistrado, durante um plantão judicial de fim de semana, não sendo o juiz natural da causa, não deveria provocar turbulências políticas que coloquem em dúvida a própria autoridade das decisões judiciais colegiadas, em especial a do Supremo Tribunal Federal”.

Para Geraldo Alckmin, a Justiça deve ser fonte de equilíbrio e não de instabilidade. Caso Lula fosse solto neste domingo, o tucano acredita que isso “tumultuaria o processo político-eleitoral e aprofundaria o descrédito das instituições, fazendo o jogo dos inimigos da democracia”. “Manter Lula ou qualquer outro cidadão brasileiro preso não pode ser uma decisão política, mas sim da Justiça”, disse o tucano.

Henrique Meirelles, que foi ministro da Fazenda de Lula e Michel Temer, foi mais breve, seguindo a mesma linha de Alckmin e Marina, dizendo ser “contra a politização da Justiça”. Já o senador Álvaro Dias afirmou nas redes sociais que o habeas corpus “anarquiza o Judiciário e causa indignação e revolta na sociedade”. Para ele, o desembargador é um “aloprado que serviu a governos petistas, como o de Tarso Genro e do próprio Lula”.

Leia também:
– William Waack: Dois males foram criados com “guerra de liminares” para soltar Lula
– 8 perguntas para entender a confusão jurídica que quase soltou Lula

João Amoedo também se manifestou por meio das redes sociais: “um absurdo! O desembargador se desfiliou do PT em 2010, mas esta decisão mostra que ele continua a trabalhar pelo partido”, escreveu no Twitter.

Já os pré-candidatos de esquerda defenderam o ex-presidente e atacaram as decisões contra a libertação do petista. Guilherme Boulos chamou o caso de “domingo da vergonha para as instituições brasileiras”. “Juiz de férias desrespeitando instância superior e polícia descumprindo ordem judicial para esperar outra. Partidarização escandalosa!”, disse ele também elogiando a postura de Favreto ao ter “coragem de enfrentar os desmandos de Moro”.

PUBLICIDADE

Para Manuela D’Ávila, Moro atentou gravemente contra o Estado de Direito ao se manifestar contra a libertação do ex-presidente. “Se ainda houver lei nesse país, Lula será solto”, afirmou.