Política

Bolsonaro cancela viagem para homenagem em Nova York

Em nota, a Presidência diz que a viagem foi cancelada porque "ficou caracterizada a ideologização da atividade"

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência) informou na noite desta sexta-feira (3) que o presidente Jair Bolsonaro cancelou a viagem que faria a Nova York, onde seria homenageado pela Câmara de Comércio Brasil-EUA.

Em nota, assinada pelo porta-voz de Bolsonaro, Otávio Rêgo Barros, a Presidência diz que a viagem foi cancelada porque “ficou caracterizada a ideologização da atividade”.

O cancelamento se deu, de acordo com o texto, “em face da resistência e dos ataques deliberados do Prefeito de Nova York e da pressão de grupos de interesses sobre as instituições que organizam, patrocinam e acolhem em suas instalações o evento anualmente”.

PUBLICIDADE

A confusão teve início após os locais escolhidos pela organização para a cerimônia se recusarem a receber o evento. Além disso, algumas empresas que patrocinam o evento desistiram de homenagear o presidente.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, chegou a pedir a um dos locais escolhidos que não recebesse o presidente por considerá-lo um “ser humano perigoso”.

Leia a nota na íntegra:

NOTA À IMPRENSA

O Presidente da República agradece a homenagem proposta pela Câmara de Comércio Brasil-EUA, ao escolhê-lo “Personalidade do Ano de 2019”.

Entretanto, em face da resistência e dos ataques deliberados do Prefeito de Nova York e da pressão de grupos de interesses sobre as instituições que organizam, patrocinam e acolhem em suas instalações o evento anualmente, ficou caracterizada a ideologização da atividade.

PUBLICIDADE

Em função disso, e consultados vários setores do governo, o Presidente Bolsonaro decidiu pelo cancelamento da ida a essa cerimônia e da agenda prevista para Miami.

Otávio Santana do Rêgo Barros

Porta Voz da Presidência da República

Insira seu email abaixo e receba com exclusividade o Barômetro do Poder, um estudo mensal do InfoMoney com avaliações e projeções das principais casas de análise política do país: