AO VIVO Por Dentro dos Resultados: CFO da Iguatemi fala sobre os números da empresa e o futuro dos shoppings; assista

Por Dentro dos Resultados: CFO da Iguatemi fala sobre os números da empresa e o futuro dos shoppings; assista

Bob Doll vê momentum positivo para ações após eleições nos EUA

Gestor enaltece indicadores da última semana e minimiza riscos de duplo-mergulho; ações devem ascender 15% após eleições

SÃO PAULO – “Notícias econômica positivas da semana passada ajudam a reforçar nossa opinião de que um ambiente de baixo crescimento econômico é mais provável de ocorrer do que um duplo-mergulho”. A declaração ajuda a resumir as projeções de Bob Doll, estrategista chefe da gestora de recursos BlackRock, para a economia global.

Sem deixar de lado os significativos riscos à recuperação – a saber, o parco consumo, o sistema financeiro ainda fragilizado, e o debilitado mercado imobiliário -, os indicadores econômicos têm se tornado “mais positivos” nas últimas semana, em sua avaliação. “Em suma, esperamos que a economia apresente um crescimento modesto nos trimestres seguintes, e em nossa estimativa, o crescimento do produto interno bruto dos EUA deve ficar em torno de 2% no futuro próximo.”

Política e ações
No relatório semanal da BlackRock, Doll também frisa as medidas adotadas pelo presidente dos EUA, Barack Obama, como forma de impulsionar a criação de empregos na maior economia do globo, medidas esta que, segundo o gestor, “têm ramificações políticas óbvias”. Cabe lembrar que em novembro ocorrerão eleições legislativas no país.

PUBLICIDADE

“De uma perspectiva do mercado, quando as eleições finalmente ocorrerem, o sentimento de incerteza será removida, o que historicamente tem sido positivo para as ações”, comenta Doll, observando que após as eleições, ocorre geralmente um forte avanço das ações nos EUA “próximo de 15% nos seis meses posteriores, tendência esta que sugere ventos positivos para as ações nos meses por vir”.

Tendências
Ainda em sua visão, o mercado acionário encontra-se atualmente em uma faixa de negociação praticamente estável, “situação que esperamos perdurar por um momento”, assinala.

No entanto, o economista avalia que os ativos devem enfrentar um “beco sem saída”, seja para o sentido positivo ou negativo. “Estamos no campo positivo, mas reconhecemos que os investidores precisam ver evidências claras de que o cenário de um duplo-mergulho não deverá ocorrer”, conclui.