Barômetro do Poder

Base estimada de Bolsonaro no Congresso chega ao menor patamar

Levantamento feito pelo InfoMoney mostra que todos os indicadores sobre a relação entre os Três Poderes apresentaram alguma piora de agosto para cá

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Derrubada de vetos ao projeto de lei do abuso de autoridade, desidratação do pacote anticrime, ameaça de CPI contra juízes de cortes superiores, ação da PF contra o líder do governo no Senado: a extensa lista de episódios políticos das últimas semanas mudou a percepção dos analistas sobre o clima entre os Poderes em Brasília.

É o que mostra a nona edição do Barômetro do Poder, iniciativa do InfoMoney que compila mensalmente as avaliações e projeções das principais casas de análise de risco político e analistas independentes em atividade no Brasil. Para ter acesso à íntegra da pesquisa, clique aqui.

Segundo o levantamento, feito entre os dias 23 e 25 de setembro, todos os indicadores sobre a relação entre os Três Poderes apresentaram alguma piora de agosto para cá. Do lado da interlocução do governo Jair Bolsonaro (PSL) no Congresso Nacional, as estimativas para uma base aliada chegaram ao menor patamar.

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

O Barômetro mostra que, dividindo os 513 deputados federais e os 81 senadores em três grandes grupos (alinhados com o governo, de oposição e indefinidos), a média das estimativas dos especialistas aponta para uma base aliada com 103 assentos na Câmara (20%) e 19 no Senado (23%).

As estimativas para os parlamentares alinhados à atual administração vêm em uma queda quase ininterrupta desde janeiro, quando marcavam 242 deputados e 38 senadores. Naquela época, ainda se especulava sobre a possibilidade de construção de uma coalizão efetiva no parlamento, o que acabou perdendo força logo nos primeiros meses de legislatura.

Simultaneamente à percepção de base mais frágil de Bolsonaro no parlamento, os analistas também observam um pior ambiente para o governo aprovar suas proposições legislativas.

Em agosto, 15% viam chances “boas” de as pautas do Executivo avançarem no parlamento. Hoje, todos abandonaram o grupo. As leituras agora se dividem entre chances “moderadas” (54%) e “baixas” (46%).

Nem mesmo para os próximos seis meses as perspectivas são favoráveis. Apenas 8% dos analistas consultados esperam uma melhora no quadro, ao passo que 46% esperam uma piora e outros 46% não estimam grandes mudanças.

“Em relação à capacidade do governo de aprovar propostas no parlamento, depende, evidentemente, da natureza da agenda. A agenda econômica tende a encontrar menos resistência que a agenda de costumes ou de segurança”, observou um dos analistas participantes.

“É um governo cuja relação com os demais poderes e com a sociedade organizada tendem a piorar, tendo em vista sua incapacidade de diálogo”, avaliou outro.

Participaram desta edição nove casas de análise de risco político: BMJ Consultores, Control Risks, Eurasia Group, Medley Global Advisors, Patri Políticas Públicas, Prospectiva Consultoria, Pulso Público, Tendências Consultoria e XP Política. E três analistas independentes: Antonio Lavareda (Ipespe); os professores Carlos Melo (Insper) e Cláudio Couto (EAESP/FGV) e o jornalista e consultor político Thomas Traumann.

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Conforme acordado previamente com os colaboradores, os resultados são divulgados de forma agregada, preservando o anonimato dos analistas.

Ministros x parlamentares

A mudança mais drástica de perspectivas foi observada na relação entre Judiciário e Legislativo. Na avaliação de 46% dos analistas consultados, o atual clima entre os dois Poderes é “ruim”. Em agosto, este grupo representava apenas 8% dos respondentes. Já os que veem a relação como “ótima” ou “boa” saiu de 54% para 31% no mesmo intervalo.

“A autorização do ministro Luís Roberto Barroso para a ação da PF no Senado aumentou os temores do Legislativo com o STF e o Ministério da Justiça. Haverá reações”, afirmou um dos participantes.

O Planalto e a toga

A situação menos desconfortável e que apresentou maior estabilidade refere-se à relação entre os Poderes Executivo e Judiciário. Segundo o levantamento, 46% dos analistas avaliam um clima “regular” entre as instituições — mesmo patamar observado em agosto. Já o grupo dos que veem relação “ruim” saltou de 23% para 31% no período.