Barack Obama é eleito o novo Presidente dos Estados Unidos

Eleição recoloca o partido democrata no comando da maior economia global; maioria no Congresso também é aumentada

SÃO PAULO – Um capítulo especial da democracia nos Estados Unidos foi escrito na última terça-feira (4), em que milhões de norte-americanos foram às urnas e elegeram o democrata Barack Obama como seu novo presidente, além de dar a maioria do Congresso ao seu partido.

De acordo com o sistema eleitoral norte-americano, Obama somente será oficialmente eleito o novo Presidente dos EUA após ganhar a votação no colégio eleitoral. A cada estado é atribuído um número de delegados proporcional à sua população, sendo a eleição majoritária em quase todos – ou seja, aquele que obtiver maioria dos votos em um Estado, ganha costumeiramente os votos de todos os seus representantes.

Prometendo mudanças em várias das direções tomadas por George W. Bush e o partido republicano nos últimos oito anos, Obama minou as chances de seu adversário John McCain ao conseguir vitórias em estados decisivos como Pensilvânia, Ohio e Iowa, de grande peso eleitoral e cujas pesquisas de opinião apontavam para grande equilíbrio ou até favorecimento ao republicano.

Desafios

Embora a contagem dos votos populares não tenha sido encerrada por completo, Obama já garantiu ao menos 349 votos no colégio eleitoral. Seu partido também conseguirá aumentar a maioria que já possui nas duas casas legislativas, o que proporcionará maior força ao novo presidente.

Quando assumir o governo, Obama será o primeiro negro a presidir os EUA e enfrentará uma das maiores crises econômicas da história do país, com grave restrição ao crédito e uma recessão que bate à porta da maior economia do mundo. Entre suas propostas, estão a revisão da política de impostos do atual governo e concessão de crédito adicional a proprietários de casas com dificuldades para pagar hipotecas.

Mudança

Em discurso para mais de 125 mil pessoas em Chicago, Obama elogiou seu adversário de campanha e adotou tom conciliador. “Se há alguém aí fora que ainda duvida que a América seja um lugar onde todas as coisas são possíveis, que ainda questiona se o sonho de nossos pais fundadores está vivo em nossos tempos, que ainda questiona o poder de nossa democracia, esta noite é sua resposta”, afirmou o presidente eleito.

A eleição foi marcada por enormes filas, conseqüência de um comparecimento muito maior que o normalmente verificado nas eleições norte-americanas. Ao contrário do que ocorre no Brasil, o voto nos EUA não é obrigatório e as eleições não ocorrem em um feriado.

O candidato republicano reconheceu sua derrota e afirmou que a eleição foi um momento especial para os afro-americanos. A posse do novo presidente ocorrerá no dia 20 de janeiro de 2009.