Banco Safra aponta dez mudanças necessárias para avanço econômico do país

Análise foi baseada em documento entregue pela CNI aos 3 principais pré-candidatos à presidência, após sabatina na véspera

SÃO PAULO – O Banco Safra comentou, nesta quarta-feira (26), o documento entitulado “A Indústria e o Brasil – uma agenda para crescer mais e melhor”, entregue pelo CNI (Confederação Nacional da Indústria) aos três principais candidatos à presidência do Brasil: Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV). O balanço contém sugestões para aumentar a competitividade da indústria brasileira e garantir que o atual crescimento econômico mantenha-se em níveis sustentáveis.

Na visão do analista do Safra, Sérgio Goldman, é importante destacar que a correção das ineficiências na economia brasileira poderia levar à valorização dos preços dos ativos nacionais. Em sua visão, embora ainda seja cedo para avaliar se as sugestões serão implementadas, os pontos oferecem dificuldades, mas são possíveis.

O Banco Safra destacou dez pontos sobre o que foi proposto no relatório da CNI. Entre eles, estão a necessidade da reforma fiscal, da modernização das leis trabalhistas e aumento dos investimentos em infraestrutura pública e privada. A lista completa está a seguir.

PUBLICIDADE

Confira os dez pontos destacados:

1. Aumentar os investimentos agregados do País para 22% do PIB (Produto Interno Bruto) em 20144, de 16,7% em 2009.

2. Reduzir o avanço das despesas do setor público

3. Criar incentivos para o crescimento do sistema privado de pensão, assim como dos mercados de capital brasileiros

4. Executar a reforma fiscal e medidas pontuais para lidar com questões de impostos mais específicas

5. Reduzir spreads de crédito e criar novas opções de financiamento de longo prazo

PUBLICIDADE

6. Modernizar as leis trabalhistas

7. Aumentar os investimentos públicos e privados em infraestrutura

8. Melhorar a educação e investir em inovação

9. Aumentar a participação do Brasil no comércio mundial

10. Reduzir a burocracia dos negócios no País