Banco do Brasil deverá gerir novo fundo provedor de crédito agrícola

Lula apoia criação do fundo para fomentar o setor e estimular a safra, evitando pressão inflacionária nos alimentos

SÃO PAULO – O presidente Lula deu seu apoio à criação de um fundo garantidor para o agronegócio, ainda em estudo pelo governo federal, que funcionaria em moldes semelhantes aos do recentemente criado em incentivo às pequenas e microempresas e contaria com montante entre R$ 7 bilhões e R$ 10 bilhões.

A proposta foi feita pela senadora oposicionista Kátia Abreu (DEM-TO), presidente do CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) e o gestor de tal fundo, a princípio, seria o Banco do Brasil, tradicional garantidor de crédito ao segmento.

Na dificuldade de capturar crédito junto às instituições financeiras, o mecanismo seria uma espécie de avalista, que contribuiria para a contração de financiamentos por parte dos empresários do setor, garantindo a capitalização de suas atividades.

Oportunidade

PUBLICIDADE

O PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio caiu 0,5% no confronto do primeiro trimestre deste ano com igual período do ano anterior. Desde a quebra do Lehman Brothers, em outubro passado, o acumulado das contrações das atividades agrícolas chega a 2,26%.

Os empresários da agroindústria ainda pedirão, em encontro com o CMN (Conselho Monetário Nacional), que a liberação de novos financiamentos ao setor não seja prejudicada pela classificação dos produtores endividados ou que recorreram a uma renegociação de suas dívidas.

O Governo, por sua vez, anunciará na terça-feira (23), na cidade de Londrina, o Plano Agrícola Pecuário 2009/2010, que contará com o total de R$ 93 bilhões para o fornecimento de crédito ao setor, dos quais R$ 12,3 bilhões serão destinados para o capital de giro dos produtores.