Avaliação manifesta tom crítico frente à gestão da Petrobras

Média ponderada de 4,9 reflete ressalvas contra possível ingerência política e excessos na consolidação setorial

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Uma das maiores petrolíferas do mundo, a Petrobras é também referência dentro da renda variável. Suas ações e seus ADRs (American Depositary Receipts) são considerados atrativos por investidores domésticos e estrangeiros.

Tal status deixa a estatal como um exemplo contra as críticas direcionadas à administração ineficiente do setor público. Mesmo assim, existem argumentos para questionar o discurso de “compromisso com o mercado”, sempre ressaltado pelos gestores da Petrobras.

É o que mostra avaliação feita pela InfoMoney, em que os usuários do site atribuíram notas à administração da petrolífera. A média ponderada das apurações resulta em um conceito de 4,94.

Entre elogios e ressalvas

Aprenda a investir na bolsa

A maior fração dos votos (17,90%) corresponde à nota mínima para a gestão da Petrobras. Mas outros grupos significativos foram menos críticos, avaliando-a entre 5 e 8.

A discrepância das opiniões reflete um balanço entre estratégias de expansão orgânica importantes, como a conquista da auto-suficiência, e práticas que por vezes contrariam o princípio de maximizar valor para o acionista.

Gestão política

Um risco já tradicionalmente associado à administração da Petrobras é o de ingerência política, dada a capacidade da estatal de promover medidas que garantam votos.

José Sérgio Gabrielli, presidente da empresa, ocasionalmente defende sua gestão contra acusações de controle dos preços do petróleo para segurar a inflação ou de licitações com critérios pouco transparentes.

Consumo compulsivo

Outra ressalva está nas manobras de fusões e aquisições. Com uma proposta agressiva de consolidação, vista por alguns economistas como monopolística, a Petrobras compra participações em diversas empresas, por preços às vezes considerados acima dos padrões.

Como exemplo, os analistas do Credit Suisse avaliaram a aquisição da Suzano Petroquímica como fora do foco da petrolífera e carente de uma relação custo-benefício vantajosa.

PUBLICIDADE

Operações do tipo não costumam influenciar no preço das ações de maneira isolada, já que a participação do investimento dentro do valor de mercado da petrolífera é frqüentemente irrisória. Contudo, somados os casos, há quem alerte para um custo mais significativo derivado da postura de consolidação setorial.

Confira a avaliação

Que nota você daria para a gestão e administração da Petrobras?VotosPercentual
043217,90%
1602,49%
21174,85%
31215,01%
42048,45%
533814,00%
627611,43%
730012,43%
826310,89%
91124,64%
101917,91%
Total2.414100%