Não é bem assim

Autor de livro sobre Mujica explica declaração e diz que Lula não “confessou” mensalão

Após agitar o noticiário desta sexta com uma possível declaração do ex-presidente uruguaio sobre Lula, autor de livro explica que não foi isso que foi dito por Mujica

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Um dos assuntos mais discutidos desta sexta-feira (8) foi uma passagem do recente livro “Una oveja negra al poder” (Uma ovelha negra no poder, em tradução livre), que conta a história dos cinco anos de José Mujica no Uruguai, em que os autores destacam uma possível “confissão” do ex-presidente Lula sobre o mensalão.

Mujica relembra no livro um dos encontros que teve com Lula e relata que, ao falarem sobre o escândalo do mensalão, que funcionava através da compra de apoio político, o ex-presidente brasileiro teria lhe dito que aquela era “a única forma de governar o Brasil”. “Lula não é um corrupto como (Fernando) Collor de Mello e outros ex-presidentes brasileiros”, disse Mujica em uma das cem horas de entrevistas que concedeu aos jornalistas. “Mas viveu esse episódio (do mensalão) com angústia e um pouco de culpa”.

Porém, o site de notícias G1 conseguiu entrar em contato com um dos autores da obra, Andrés Danza, e ele explicou melhor esta declaração do ex-presidente uruguaio. Questionado se esta passagem estaria se referindo especificamente ao mensalão, Danza diz que não: “Não, Lula estava falando sobre as ‘coisas imorais’ e não sobre o mensalão. O que Lula transmitiu ao Mujica foi que é difícil governar o Brasil sem conviver com chantagens e ‘coisas imorais'”, afirmou.

PUBLICIDADE

Lula sempre negou saber do escândalo do mensalão e pouco depois do caso explodir, o então presidente fez um discurso afirmou se sentir “traído por práticas inaceitáveis das quais nunca tivera conhecimento”. Depois, passou a afirmar que a existência do esquema nunca havia sido comprovada e que seus colegas de partido tiveram uma punição política. O livro também destaca que Mujica admira Lula e que ele é um “baixinho bárbaro”.

Em entrevista ao jornal El País, Mujica classificou a corrupção no Brasil como algo inexplicável. “A questão de ter dinheiro para ser alguém pode ser uma ferramenta de progresso no mundo do comércio, onde há riscos empresariais, mas, quando isso se insere na política, estamos fritos. (…) É inexplicável isso no Brasil”, afirmou em entrevista concedida em Buenos Aires.

“A democracia moderna é muito cara. O Brasil é muito grande, tem estados que são como países. Ali há partidos locais e o governo nacional tem de negociar com eles. Aí começa tudo”, afirmou.