Ativa considera potencialmente negativa instauração de CPI da Aneel

Mesmo não vendo razões para o estabelecimento do inquérito, corretora enfatiza o problema da influência política no setor

SÃO PAULO – O Congresso Nacional instaurou na última quinta-feira (18) uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar os processos de formação dos valores das tarifas de energia elétrica e as atividades da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) de autorização dos reajustes tarifários.

Outro dos motivos expressos da comissão é tentar esclarecer as razões pelas quais a tarifa média desse tipo de energia no Brasil é maior do que em países do G7.

A atuação da comissão tem efeito potencialmente negativo sobre as geradoras, segundo opinião da Ativa, destacando em relatório que, desde o primeiro momento, os analistas não descartaram a influência da ingerência política sobre o processo decisório das autoridades reguladoras do segmento.

Sem fundamento

PUBLICIDADE

Adicionalmente, declaram que “uma quebra na estrutura de revisão tarifária no momento de consolidação do atual modelo (…) seria catastrófica para o setor”.

Noutro sentido, porém, a corretora não vê fundamentos para a existência de tal CPI, uma vez que a atividade da Aneel é regulada por modelo exaustivamente discutido em meio à sociedade e os altos preços praticados no setor são devidos, em grande parte, à excessiva carga tributária brasileira.

Ainda assim, a equipe da Ativa não abandona o prognóstico de que o acontecimento pode impactar negativamente o segmento de geração elétrica no Brasil.