MERCADOS AO VIVO Índice Dow Jones ultrapassa os 30 mil pontos pela primeira vez na história

Índice Dow Jones ultrapassa os 30 mil pontos pela primeira vez na história

Ajuste fiscal

Atenção bancos: senadora estuda aumentar CSLL acima dos 20% previstos

Não se sabe ao certo de quanto seria o aumento avaliado por Gleisi e alguns colegas no parlamento. Nas emendas enviadas por deputados e senadores, foram sugeridos aumentos entre 25% e 35%

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Escolhida relatora da Medida Provisória 675/2015, que altera a alíquota que incide sobre a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) das instituições financeiras, em comissão mista no Congresso, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) estaria estudando modificar o texto enviado pelo governo, conforme informou o jornal Valor Econômico. De acordo com a reportagem, a ex-ministra da Casa Civil durante o primeiro mandato de Dilma Rousseff avaliaria também um mecanismo para que tais instituições se livrem da nova cobrança em caso de investimentos nas áreas habitacional, de infraestrutura e agricultura.

A MP, publicada pelo governo no Diário Oficial da União na segunda metade de maio, determina que a alíquota que incide sobre a CSLL salte de 15% para 20%, em uma nova iniciativa da atual gestão para ajustar as contas públicas. Não se sabe ao certo de quanto seria o aumento avaliado por Gleisi e alguns colegas no parlamento. Nas emendas enviadas por deputados e senadores, foram sugeridos aumentos entre 25% e 35%.

Ainda de acordo com a matéria do jornal Valor Econômico, a ex-ministra teria afirmado a colegas, em conversas reservadas, que analisa poupar as cooperativas de crédito dessa alteração no imposto, proposta em linha com a emenda do deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG), que argumenta que tais instituições, diferentemente dos bancos, são formadas por um grupo de pessoas interessadas em viabilizar seus negócios a um custo menor.

Aprenda a investir na bolsa

O governo estima arrecadar R$ 995,6 milhões este ano e R$ 3,8 bilhões em 2016 com as alterações originais da MP. Na outra ponta da corda, o lobby dos bancos já articula um movimento que permita a aplicação da nova alíquota apenas em 2018. Resta saber quem vai vencer essa queda de braço. Do lado do governo, a escolha do nome de Gleisi para a relatoria da comissão mista e de Domingos Sávio (PSDB-MG) para a presidência e José Pimentel (PT-CE) para vice pode ser vista como uma primeira conquista.

Dos R$ 7,98 milhões recebidos na campanha 2010 – disputa que a habilitou para o cargo no Senado até 2018 -, Gleisi recebeu R$ 100 mil do Banco Fator, única instituição financeira identificada em seus financiamentos apresentados ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Apesar de o montante ser elevado, ele não apresenta significativa participação no financiamento de campanha total da parlamentar (1,25%), o que pode lhe garantir mais liberdade, em tese, na elaboração do relatório. No entanto, vale lembrar que o setor financeiro é um dos que mais patrocina campanhas eleitorais. Boa parte dos parlamentares hoje em exercício contaram com expressivos investimentos do segmento.

Após a aprovação na comissão mista, o texto seguirá para análise nos plenários da Câmara e do Senado, exatamente como ocorreu com as mudanças de regras nos direitos trabalhistas e previdenciários, estabelecidos pelas MPs 664 e 665, ambas de 2014. Assim como as demais, a MP 675, que trata da CSLL, faz parte do ajuste fiscal e incide sobre corretoras de câmbio, distribuidoras de valores mobiliários, seguradoras, empresas de capitalização e as administradoras de cartões de crédito.

Nos dias que sucederam o anúncio do governo sobre as alterações no imposto, as ações de bancos e seguradoras apresentaram forte queda. À época, o Credit Suisse estimou que o lucro líquido do Itaú Unibanco (ITUB4) será impactado em 5,8% por conta do aumento do imposto em 2016; Bradesco (BBDC3; BBDC4), em 5,9%; BB, em 5,8%; e Santander (SANB11), em 5,1%.

Em entrevista ao InfoMoney, o diretor-executivo da Fitch Ratings no Brasil, Rafael Guedes, afirmou que os ventos hoje sopram mais contrariamente aos bancos do que alguns anos atrás, mas ressaltou a força das instituições financeiras brasileiras, sobretudo as privadas. Especificamente sobre as novas alíquotas da CSLL, Guedes – que já também já atuou na UBS em Zurique – afirmou que se trata de mais um fator que luta contra o sistema financeiro neste momento.

“É mais um vento contrário para os bancos, mas eles são extremamente eficientes, bastante lucrativos. Pegando Bradesco e Itaú, eles têm histórico de retorno sobre o patrimônio acima de 20%. Essa é uma característica do sistema bancário brasileiro: ter bancos fortes extremamente lucrativos, em um sistema relativamente simples, desenvolvido, altamente tecnológico e com grandes retornos”, elogiou o diretor-executivo da Fitch.

PUBLICIDADE