5 assuntos do dia

Atenção: as 4 ações para monitorar logo no início do pregão

Fique por dentro de tudo que você precisar saber para operar no pregão desta quinta-feira (15)

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Após a forte queda de 1,8% na véspera repercutindo a perspectiva de que o Federal Reserve elevará os juros mais vezes no ano que vem (confira mais clicando aqui), o Ibovespa deve seguir de olho no exterior, com os dados dos EUA e a decisão de política monetária do Bank of England. 

Contudo, o noticiário político brasileiro segue movimentado, com destaque para o pacote de medidas a ser anunciado pelo governo Michel Temer nesta quinta-feira. O noticiário corporativo também é carregado. Confira no que se atentar nesta quinta-feira (15): 

1. Bolsas mundiais
O dia começa levemente positivo para os principais índices acionários globais, que digerem a já esperada decisão do Fomc (Federal Open Market Committee) de elevar a banda de juros para 0,5%-0,75% e dar indícios de que o ano que vem poderá contar com outras três elevações nas taxas. 

PUBLICIDADE

Do lado das commodities, o petróleo opera com ganhos abaixo de 1%, com os investidores ainda especulando sobre os efeitos do corte de produção acordado por membros e não-membros da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e os efeitos dos novos rumos da política monetária norte-americana sobre os preços dos ativos no mercado global.

Às 7h45, este era o desempenho dos principais índices:

* FTSE 100 (Reino Unido) -0,16%

* CAC-40 (França) +0,68%

*DAX (Alemanha) +0,51%

* Xangai (China) -0,71% (fechado)

PUBLICIDADE

*Hang Seng (Hong Kong) -1,77% (fechado)

* Nikkei (Japão) +0,10% (fechado)

*Petróleo brent +0,83%, a US$ 54,35, o barril

2. Agenda política
Em destaque nesta quinta, está a repercussão da aprovação do relatório pela admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para reformar a Previdência, por um placar de 31 votos a favor e 20 contra pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. Com a aprovação do parecer, a próxima etapa será a criação de uma comissão especial para debater o mérito da proposta. Ainda no noticiário político, a Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) aprovou o texto-base do Orçamento da União para 2017, que fixa os gastos federais em R$ 3,7 trilhões e estabelece o salário mínimo em R$ 945,80 para o próximo ano. 

Vale destacar que haverá uma sessão solene do Congresso Nacional às 9h para promulgação de Emenda Constitucional originada da aprovação da PEC 55/2016, que limita gastos públicos. A PEC foi aprovada em segundo turno no Senado na última terça-feira por 53 votos a 16.

Por fim, destaque para o cenário de mal-estar no STF. Após a decisão de Luis Fux, o ministro do STF Gilmar Mendes afirmou que o seu colega deveria “fechar o Congresso de uma vez e dar a chave ao procurador Deltan Dallagnol [da Lava Jato]”.

Na noite de ontem, Luis Fux decidiu suspender a tramitação do Projeto de Lei da Câmara dos Deputados  (PL) 4.850/16, que trata das Dez Medidas de Combate à Corrupção, projeto popular incentivado pelo Ministério Público Federal (MPF). Na decisão, Fux entendeu que houve um erro de tramitação na Câmara e determinou que processo seja devolvido pelo Senado, onde a matéria está em tramitação, para que os deputados possam votar a matéria novamente. A decisão do ministro anula todas as fases percorridas pelo projeto, inclusive as diversas alterações às medidas propostas inicialmente pelo Ministério Público, como a inclusão dos crimes de responsabilidade para punir juízes e membros do Ministério Público. A votação na Câmara foi feita na madrugada do dia 30 de novembro. Confira mais clicando aqui. 

3. Pacote de estímulos
O governo deve anunciar nesta quinta medidas de reforma da microeconomia para aumentar capacidade de crescimento do país, disse o ministro da Fazenda Henrique Meirelles em evento nesta quarta em Brasília. Possivelmente, serão mais de 10 medidas, disse o ministro.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o  governo deve incluir no minipacote a proposta de lei para facilitar a recuperação de empresas. Outra medida em estudo pelo governo é a criação de um programa de regularização tributária como forma de estimular as empresas a liquidarem seus débitos fiscais, melhorando sua situação financeira. 

4. Agenda de indicadores
O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), caiu 0,48% em outubro na comparação com setembro, mostraram dados dessazonalizados divulgados pelo BC às 8h30. Pesquisa Reuters apontava que a expectativa era de que o índice recuasse 0,5% em outubro ante o mês anterior.

No cenário internacional, o destaque fica para a Reunião do Banco Central da Inglaterra, que será revelada às 10h.

Além disso, nos EUA, serão revelados os dados de inflação de novembro às 11h30, além do Philadelphia Fed Index. O mercado também segue repercutindo a decisão do Fomc (Federal Open Market Committee). O Fed decidiu elevar as taxas de juros nos Estados Unidos em 25 pontos-base, em decisão já amplamente esperada pelo mercado. Contudo, acabou sendo surpreendido pela mudança nas projeções da autoridade americana. Para 2017, o Fed espera agora três novas elevações nas taxas, contra duas previstas anteriormente.

5. Ações para monitorar
Entre as ações para ficar de olho logo no início do pregão estão as da Oi (OIBR3), após informações de que o investidor egípcio Naguib Sawiris propõe investimento de R$ 40 bilhões na companhia. Os credores representados pela Moelis e pelo bilionário Sawiris propõem injetar US$ 1,2 bilhão em capital na companhia. Os papéis daPetrobras (PETR3; PETR4) devem reagir àinformação de que a empresa atingiu a marca histórica de 1 bilhão de barris de petróleo produzidos no pré-sal e à notícia de que a Câmara de Arbitragem da Bovespa abriu processo para analisar o pedido de ressarcimento de prejuízo que 40 fundos de investimento dos Estados Unidos, que estimam prejuízo de R$ 2 bilhões. As ações da Gerdau (GGBR4) podem sentir os reflexos de relatório do BTG Pactual, que avalia como “exagerada” a recente queda das cotações e reiterou a recomendação de compra e preço-alvo de R$ 16 por ativo. Vale monitorar também a Braskem (BRKM5), que assinou acordo de leniência com o MPF (Ministério Público Federal). A companhia pagará multa e indenização no valor total de aproximadamente US$ 957 milhões, equivalentes a aproximadamente R$ 3,1 bilhões, mas a reação do mercado deve ser positiva. (Leia a explicação completa clicando aqui).

(Com Bloomberg, Agência Brasil e Agência Estado)