Projeções

Até onde iria a ação da Petrobras com a queda da Dilma? HSBC tenta responder

Petrolífera vem respondendo bem mais ao cenário eleitoral do que à sua tese de investimentos; analistas traçam cenários para eleições com base no preço das ações da companhia

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Depois de duas semanas em reuniões com investidores nos EUA e no Brasil, os analistas do HSBC, Luiz Carvalho e Filipe Gouveia, destacaram que ficou claro que a política está pesando cada vez mais sobre a tese de investimentos da Petrobras (PETR3;PETR4), e não os fundamentos baseados na correlação negativa com a desvalorização do real e a expectativa de crescimento da produção. Carvalho e Gouveia ressaltam que a maior parte das perguntas recebidas durante mais de 50 reuniões foram sobre três possíveis desfechos para o cenário de eleições – reeleição de Dilma, uma possível volta de Lula ou vitória da oposição.

Com base nisso, eles “tentaram criar um modelo simplificado” de sensibilidade para avaliar o impacto das novidades sobre as pesquisas eleitorais no preço das ações da estatal. O relatório divulgado pelo banco na sexta-feira passada (4) mostra que eles chegaram à seguinte conclusão: as ações preferenciais da Petrobras (PETR4) na faixa de R$ 15,00 precificam uma chance de 75% de reeleição de Dilma.

O cálculo foi feito tendo como base uma pesquisa informal com mais de 50 investidores, conduzida pelos próprios analistas. O cálculo para chegar nos R$ 15,00 foi feito com base numa média ponderada sobre a possibilidade dos três cenários eleitorais previstos pelo banco e a estimativa de preço que as ações PETR4 podem chegar neste cenário.

Aprenda a investir na bolsa

Veja a tabela abaixo para conferir as contas podem feitas pelo HSBC. Logo abaixo da tabela, veja os cálculos emitidos no próprio relatório do banco:

CenárioChance deste
cenário acontecer 
Estimativa de
preço da ação
neste cenário 
Preço 
Ponderado 
Reeleição da Dilma
(com medidas anti-mercado) 
60,0%R$ 10,00R$ 6,00
Reeleição da Dilma
(com medidas pró-mercado) 
15,0%R$ 18,00R$ 2,70
Volta “surpresa” de Lula5,0%R$ 20,00R$ 1,00
Vitória da oposição20,0%R$ 30,00R$ 6,00
Preço final (soma da média ponderada de cada cenário)R$ 15,70

Tabelapetrobras

Tese de investimentos continua a mesma, avaliam
Vale ressaltar que o relatório foi feito antes da pesquisa Datafolha divulgada no sábado, em que mostrou uma queda de 6 pontos percentuais na intenção de voto de Dilma, enquanto Aécio Neves e Eduardo Campos não cresceram.

E, de acordo com o Instituto Análise, com a taxa de aprovação de Dilma até então, é difícil dizer quem vai ganhar a eleição. “Entretanto, para cada 12 minutos de propaganda eleitoral na TV que o PT terá, a oposição, somada, terá 6 minutos. Isso pode fazer uma enorme diferença por volta de meados de agosto, quando começará a campanha na TV”, avaliam.

Considerando a perspectiva em favor de Dilma, e o desempenho da ação da Petrobras em março, com alta de 20%, os analistas acreditam que, caso as próximas pesquisas mostrarem um aumento na taxa de aprovação da presidente, as ações da empresa provavelmente terão uma reação negativa, devido à percepção de alta interferência do governo.

Por outro lado, a tese de investimento na companhia permanece a mesma para os analistas. Ela apresenta forte correlação inversa com a desvalorização do real, vendo um crescimento de 5,2% ao ano na produção e pouco espaço para uma solução definitiva em termos de política de preços em 2014.

PUBLICIDADE