Refutando críticas

Associações reagem e criticam Lula: “atacar a Justiça é atacar também a democracia”

Lula afirmou na semana passada que “não vê nenhuma razão“ para respeitar a decisão da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4)

SÃO PAULO – Em reunião nesta quarta-feira em Brasília, associações de juízes e procuradores criticaram as falas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de que “não vê nenhuma razão” para respeitar a decisão da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). As entidades defenderam ainda que o STF (Supremo Tribunal Federal) não deve rever a possibilidade de execução de pena após a condenação em segunda instância. 

“A lei deve ser respeitada e quem zela pelo cumprimento da lei é o Poder Judiciário. Ficamos extremamente preocupados quando alguém diz que não vai cumprir uma decisão judicial. E o ex-presidente Lula ainda terá oportunidade de muitos recursos, então esse tipo de argumento infelizmente não é bem-vindo nem pela magistratura nem pelo Ministério Público”, disse o presidente da Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil), Roberto Veloso, segundo informa o jornal O Estado de S. Paulo.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

PUBLICIDADE

O presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), José Robalinho Cavalcanti, disse ainda que “atacar a Justiça é atacar também a democracia”.

“Não existe perseguição nenhuma, há um trabalho isento feito pela Polícia Federal, pelo Ministério Público Federal. O Brasil possui judiciário técnico, isento. O STF, que é atacado em alguns momentos por membros do PT por conta de julgamentos que prejudicaram lideres aqui e ali, é formado majoritariamente por ministros indicados pelos dois ex-presidentes do PT (Lula e Dilma Rousseff). Hoje são 7 dos 11 ministros. Isso não faz nenhum sentido”, disse Robalinho. “Cada vez que você tem julgamento contra um grupo, existe a mesma alegação de perseguição”, completou.