Política

Associação faz proposta para suspender direito a voto de quem recebe Bolsa Família

A ideia já havia sido lançada em redes sociais e cartazes nas manifestações de rua de 2013, mas foi assumida formalmente pela Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa, no Paraná em texto com propostas a candidatos

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Uma associação do Paraná vem causando polêmica, ao propor a candidatos a cargos nas eleições de 2014 defendam a “suspensão do direito ao voto” de quem fosse beneficiário do programa Bolsa Família.

A ideia já havia sido lançada em redes sociais e cartazes nas manifestações de rua de 2013, mas foi assumida formalmente pela Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa, no Paraná em texto com propostas a candidatos. 

De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, o texto não cita o nome do programa, mas explicita a proposta através da defesa do seguinte ponto: “Suspensão do direito ao voto para beneficiados de qualquer programa de transferência direta de renda, nas esferas municipal, estadual ou federal.” Além de defender esta bandeira, o documento se mostrou favorável ainda à redução dos direitos trabalhistas. 

PUBLICIDADE

Esta proposta causou bastante polêmica entre os candidatos. Um deles, o candidato à reeleição a deputado estadual pelo PT Péricles Holleben de Mello considerou a cartilha um absurdo e disse repudiar a proposta que defende a suspensão do direito ao voto. “Tenho o maior respeito pela associação (Acipg), mas como é que podem várias entidades elaborar um documento onde defendem a suspensão do direito ao voto aos beneficiários desses programas?”, conforme destacou o site A Rede. 

O lançamento das propostas aconteceu na última sexta-feira (5) e foi marcado por discussões acaloradas, além de manifestações contra o documento de algumas entidades que foram apresentadas primeiramente como propositoras destas medidas.

Em fala ao jornal O Estado de S. Paulo, o presidente da associação, Nilton Fior, disse à reportagem que não trata de uma solicitação de comprometimento dos candidatos.  “Nos colocamos à disposição para discutir, com maior profundidade, cada uma das propostas”. Numa etapa seguinte, o texto será apresentado candidatos a cargos no Executivo, inclusive os que disputam a Presidência da República.