Radar de notícias

As 6 notícias que você (provavelmente) perdeu enquanto assistia ao jogo do Brasil na Copa do Mundo

Enquanto Neymar e companhia sofriam para vencer a Costa Rica, Trump, OPEP e Petrobras agitaram o mercado

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Enquanto o Brasil parava para acompanhar a vitória da seleção na Copa do Mundo, diversos eventos agitavam o mercado, incluindo a importante reunião da Opep, uma nova pesquisa eleitoral e um novo capítulo na guerra comercial criada pelo presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Confira tudo que você provavelmente perdeu nesta sexta-feira (22):

1. Pesquisa eleitoral

Pesquisa realizada pelo Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas), encomendada pela XP Investimentos, mostrou que o início da Copa do Mundo não mudou muito a visão dos eleitores sobre os atuais candidatos. Para conferir a pesquisa completa, clique aqui.

Na pesquisa espontânea, quando não são apresentados nomes de candidatos aos entrevistados, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o deputado federal Jair Bolsonaro aparecem empatados com 13% das intenções de voto. Brancos, nulos e indecisos somam 67%. Os ex-governadores Ciro Gomes, do Ceará, e Geraldo Alckmin, de São Paulo, têm 2% das intenções de voto cada. O senador Álvaro Dias (Podemos), a ex-ministra Marina Silva (Rede) e o engenheiro João Amoêdo (Novo) figuram com 1% cada.

PUBLICIDADE

2. A guerra comercial de Trump

Através de sua conta oficial do Twitter, Trump afirmou que se a União Europeia não remover os impostos sobre os carros dos EUA, ele não terá outra escolha e irá impor uma tarifa de 20% sobre os carros importados pelo bloco.

“Baseando-se nas tarifas e barreiras comerciais há tempos colocadas sobre os EUA e suas grandes companhias e trabalhadores pela União Europeia, se essas tarifas e barreiras não forem em breve interrompidas e retiradas, nós imporemos uma tarifa de 20% sobre todos os carros deles que vêm para os EUA. Construam [os veículos] aqui!”, escreveu.

A União Europeia começou a cobrar tarifas de importação de 25% sobre uma série de produtos norte-americanos nesta sexta. A medida é uma retaliação aos EUA, que impuseram sobretaxas para aço e alumínio do bloco no início de junho.

3. Derrota da Petrobras no TST

A Petrobras (PETR4) sofreu uma derrota importante na noite da última quinta-feira (21) no TST (Tribunal Superior do Trabalho) por 13 votos a 12, na maior ação trabalhista da história contra a empresa. O Tribunal deu ganho de causa aos petroleiros que pedem novo método de cálculo para benefícios previstos em acordo coletivo firmado em 2007 com a Petrobras.

A mudança deve causar impacto de R$ 15,2 bilhões pelos pagamentos passados e ainda adicionaria R$ 2 bilhões anuais na folha de pagamento da empresa. Segundo a XP Investimentos, a estatal pode recorrer, mas em um cenário que todos os recursos se esgotem, o impacto negativo estimado é de R$ 2,00 por ação.

Leia também:
– Cessão onerosa da Petrobras, privatização da Eletrobras e mais notícias de empresas desta sexta
– Estratégia de preços da Petrobras não sobrevive à pressão política, avalia S&P

PUBLICIDADE

4. STF pode conceder prisão domiciliar a Lula

O julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no STF (Supremo Tribunal Federal) sobre um novo pedido de soltura no próximo 26 de junho dificilmente resultará na libertação do petista. Contudo, integrantes da Corte não descartam a hipótese de uma “solução meio-termo”, aponta o jornal O Estado de S. Paulo. 

De acordo com a publicação, a hipótese do petista ir para a prisão domiciliar tem adeptos dentro da Corte. Durante a noite de ontem, foi divulgado o pedido da defesa do ex-presidente ao STF de suspensão da condenação e de expedição do mandato de soltura. Confira a notícia completa clicando aqui.

5. Reunião da Opep

Em reunião nesta sexta-feira em Viena, o cartel concordou em ampliar a produção a partir de julho depois que a Arábia Saudita convenceu o Irã a cooperar nos esforços para reduzir o preço e evitar uma escassez de oferta. O grupo concordou que a Opep e seus aliados liderados pela Rússia devem aumentar a produção em cerca de 1 milhão de barris por dia (bpd), assim como esperado pelo mercado.

A Opep e seus aliados participaram desde o ano passado de um pacto para reduzir a produção em 1,8 milhão de bpd. A medida ajudou a reequilibrar o mercado nos últimos 18 meses e impulsionou os preços para cerca de US$ 75 por barril, de US$ 27 em 2016.

6. Bitcoin desaba 8%

O Bitcoin desaba quase 9% nesta sexta-feira (22) após notícias de que o órgão regulador do mercado financeiro do Japão deu uma dura em diversas exchanges, pedindo que elas melhorem suas práticas contra a lavagem de dinheiro. O caso ocorre após duas corretoras de moedas digitais sul-coreanas serem hackeadas nas últimas semanas, perdendo cerca de US$ 70 milhões. Entenda melhor o caso clicando aqui

No início da tarde desta sexta, o Bitcoin registrava perdas de 8,54%, cotado a US$ 6.150, o menor valor desde fevereiro, segundo dados do CoinMarketCap. Em reais, a queda era um pouco menor, de 7%, para R$ 24.250. Todos os 10 maiores criptoativos operam no negativo, com destaque para o EOS, que afunda 17%, e vai a US$ 8,64.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear