Entrevista para a Folha

Armínio: sem reformas, Brasil caminha para caos profundo; impeachment pode destravar crise

"Chegou a hora. O PT fez essa lambança toda, imperdoável", afirmou ele ao jornal Folha de S. Paulo, ao defender "uma nova liderança"

SÃO PAULO – Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga afirmou que, com ou sem o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o Brasil  caminha para o “caos profundo” se não mudar de rota através de reformas. “É disso que estamos falando. Não é uma aspirina e um suco de laranja que vai resolver.” Segundo ele, o PT desperdiçou sua chance e o impeachment, desde que dentro de suas regras, seria uma solução para destravar a crise econômica. 

Ele também foi incisivo ao defender uma mudança política: “chegou a hora. O PT fez essa lambança toda, imperdoável”, afirmou ele ao jornal, ao defender “uma nova liderança”. “Pessoalmente, preferia que fosse o PSDB, mas pode ser qualquer outra, desde que seja moderna”, acrescentou.

Para ele, o Brasil ainda não está barato (como foi observado por muitos no começo do mês) o suficiente para compensar o risco de investir. Segundo Armínio, superada a crise atual, o crescimento não volta se não for equacionada a dívida pública. O economista diz não acreditar que batemos o fundo do poço: “infelizmente, até para estabilizar vai ser preciso trabalhar bastante. Não vou dizer que seja um poço sem fundo, mas não se corrigirá sozinho”.

PUBLICIDADE

Fraga afirmou ainda que, apesar da crise política, existe uma janela para reformas mais amplas: “pode-se chegar a um ponto em que o medo domine e, se houver um mínimo de dignidade política e diagnóstico, pode ser que comece o processo.” Neste sentido, ele elogiou o documento do PMDB chamado “Ponte para o Futuro”, divulgado no final do mês passado. 

“Temos que mostrar que uma alternativa mais transparente e mais liberal, com um Estado melhor, é muito mais progressista que o que tivemos aqui. O modelo atual é um modelo saturado, um Estado que no fundo não atende aos mais pobres. Eles foram beneficiados, sim, com melhorias importantes, mas há um dinheiro enorme indo para outros lugares e sendo desperdiçado. Essa é uma boa briga política”.

Fraga, que seria o ministro da Fazenda caso Aécio Neves (PSDB) fosse o vencedor das eleições presidenciais do ano passado, afirmou ainda que não se “desintoxicou” da “nojeira” da campanha eleitoral e prefere não pensar na possibilidade de voltar à vida pública. “Sou muito de bem com a vida, e não me arrependo de ter me dedicado boa parte do ano passado para ajudar o Aécio, mas não é da minha natureza estar permanentemente engajado nisso”. 

É hora ou não é de comprar ações da Petrobras? Veja essa análise especial antes de decidir:

 

Leia também:

PUBLICIDADE

Você investe pelo banco? Curso gratuito mostra como até dobrar o retorno de suas aplicações