RADAR INFOMONEY Eletrobras (ELET6) desaba com adeus a Ferreira e privatização e BR Distribuidora (BRDT3) dispara

Eletrobras (ELET6) desaba com adeus a Ferreira e privatização e BR Distribuidora (BRDT3) dispara

Segundo jornal

Após traição na Câmara, governo prepara exoneração de mais de 20 indicados de deputados infiéis

Na maior parte dos casos, líderes da base indicarão os substitutos

SÃO PAULO – O presidente Michel Temer deve iniciar nos próximos dias o movimento de punição de membros da base aliada com cargos no governo que votaram pela admissibilidade da denúncia contra o peemedebista, derrubada no plenário da Câmara na última quarta-feira (2). Conforme conta a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, mais de 20 nomes estão sob análise.

Na maior parte dos casos, líderes da base indicarão os substitutos. Contudo, em alguns estados, a infidelidade foi tão alta que as nomeações ficaram a cargo de poucos deputados que se mantiveram ao lado do governo. Conta a coluna que praticamente todos os infiéis serão alvo de retaliação. A medida vem em resposta às pressões de membros do centrão, além do PMDB.

Na última sexta-feira, o governo exonerou o superintendente do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) em Santa Catarina, o engenheiro Vissilar Pretto, como forma de punir o deputado Jorginho Mello (PR-SC). Dor 39 deputados do PR, nove votaram contra o relatório de Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que pedia o arquivamento da denúncia. Membros do próprio partido pedem que o governo puna aliados que votaram contra ele na última quarta-feira, de olho nos cargos vagos que podem conquistar.

As dúvidas são como o governo deverá se comportar com os infiéis do PSDB, partido importante para a aprovação da reforma da Previdência.