Segundo jornal

Após reclamar de “facada nas costas”, Maia janta com opositores de Temer

Conforme noticia o site do jornal O Estado de S. Paulo, também participaram do encontro os senadores Renan Calheiros, Eduardo Braga e Eunício Oliveira, presidente da casa legislativa

arrow_forwardMais sobre
(Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

SÃO PAULO – No dia em que criticou as ações da cúpula do PMDB que prejudicam negociações de filiação de congressistas com o DEM, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), participou de jantar na casa da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), que foi suspensa de suas funções partidárias após dar declarações públicas contra a cúpula da legenda.

Conforme noticia o site do jornal O Estado de S. Paulo, também participaram do encontro os senadores peemedebistas Renan Calheiros (AL), Eduardo Braga (AM) — hoje opositores do presidente Michel Temer — e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (CE) — aliado do governo. Deputados de outros partidos também marcaram presença, como Alexandre Baldy (Podemos-GO) e Orlando Silva (PCdoB-SP), que disse ao jornal que o presidente da Câmara criticou o Palácio do Planalto.

O estopim dos ataques teria sido uma nova interferência dos peemedebistas em acerto feito pelo DEM para ampliar sua bancada na Câmara. Ontem, Maia proferiu duras críticas aos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) e ao presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR). “Se somos aliados, temos que ser aliados. Não podemos ficar levando facada nas costas”, disse.

“Alertei o presidente da República que isso é muito grave e não ajuda. Quando o próprio Palácio [do Planalto] participa dessa operação. Quando os ministros do Palácio [Eliseu Padilha e Moreira Franco] estão respaldando essa ação do presidente do PMDB [Romero Jucá]“, afirmou o deputado. Ele ainda lembrou de episódio ocorrido durante a tramitação da primeira denúncia contra Temer. Na ocasião, o peemedebista havia encontrado a deputada Tereza Cristina (MS) e integrantes da cúpula do PSB. Na época, segundo Maia, Temer foi a um jantar em sua casa negar a suposta ofensiva de seu partido no PSB. A filiação do senador Fernando Bezerra ao PMDB, contudo, deu outra indicação.