Aumentou expectativa

Após depoimento de Odebrecht, outra delação pode ser “explosiva” para Lula

Depois da fala do empresário Marcelo Odebrecht a Moro, as expectativas aumentam para a delação de Palocci, aponta colunista Vera Magalhães, do Estadão

SÃO PAULO – Após as revelações de Marcelo Odebrecht sobre o ex-presidente Lula para o juiz Sérgio Moro na última segunda-feira, outra delação promete complicar a vida do petista, sendo a gota d’água para ele, segundo aponta a coluna de Vera Magalhães para o jornal O Estado de S. Paulo

Em depoimento a Moro, Odebrecht não só confirmou que Lula era o “Amigo” descrito nas planilhas e e-mails apreendidos pela Lava Jato como concedeu uma informação inédita: a do saque em espécie, cujo portador teria sido o ex-ministro Antonio Palocci. 

Conforme aponta a colunista, a revelação torna potencialmente mais explosiva para Lula — e estratégica para a Lava Jato — uma delação de Palocci, que pode confirmar que entregou R$ 13 milhões em dinheiro vivo ao ex-presidente.

PUBLICIDADE

Vale destacar que, na semana passada, o Estadão havia destacado que Lula estava irritado com a possibilidade do seu ex-ministro fazer delação premiada.  Lula mostrou desconforto com a disposição de Palocci de delatar e fez chegar à defesa do ex-ministro sua insatisfação e um pedido que “controlem o cliente”. Conforme ressaltou a Coluna, nenhum dos petistas presos no âmbito da Operação Lava Jato fez delação, o que levou a penas bastante consideráveis: o também ex-ministro José Dirceu foi condenado a 23 anos e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto a 15 anos.

Como destaca Vera Magalhães, os processos de Palocci caminham para a reta final, estando recheados de evidências capazes de dar a ele uma das maiores penas da Lava Jato. Assim, interessa ao próprio petista selar um acordo que atenue sua condenação — esperada por advogados e procuradores. Com a fala de Odebrecht, a expectativa pela delação de Palocci aumentou. 

Lula se defendeu nesta terça em entrevista à rádio Meio Norte, do Piauí, afirmando que é vítima de “vazamentos mentirosos” todos os dias e que não aceita essa “bobagem toda” em torno de uma eventual prisão. Lula também disse que, se for necessário e o PT precisar, está disposto a ser novamente candidato a presidente do Brasil.