Política

Após condenação de Lula, esquerda vira as costas para aliança com PT

Proposta de "uma sólida aliança" de esquerda em torno de Lula não tem encontrado o apoio desejado pelo PT em outras legendas

SÃO PAULO – Lideranças de esquerda que apoiaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva antes do julgamento de recurso da defesa pela 8ª turma do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) já iniciam movimento de distanciamento ao líder petista no cenário eleitoral. Apesar de defenderem o direito de Lula se candidatar ao Palácio do Planalto, dirigentes partidários de siglas como PCdoB, PDT e PSOL dão pouco espaço para uma desistência de suas próprias candidaturas para apoiar o ex-presidente ou algum nome que venha a substituí-lo no PT.

 Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

Após a condenação por unanimidade a 12 anos e 1 mês de prisão de Lula pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro na segunda instância, em Porto Alegre (RS), crescem os riscos de o ex-presidente ser enquadrado pela Lei da Ficha Limpa e impedido de disputar a sucessão de Michel Temer. Com isso, também aumenta a preocupação de lideranças de esquerda de se associarem a um projeto que pode ser inviabilizado no meio do caminho.

PUBLICIDADE

A proposta de “uma sólida aliança” de esquerda em torno de Lula não tem encontrado o apoio desejado pelo PT em outras legendas. Do ponto de vista eleitoral, a confirmação da condenação do ex-presidente e a redução nos recursos disponíveis à defesa devido à decisão unânime no mérito e na dosimetria da pena tem por consequência levar à esquerda o mesmo risco de fragmentação hoje experimentado pela direita. No momento, o governismo ainda não conseguiu consolidar um único nome capaz de aglutinar as principais siglas que apoiam a gestão Michel Temer.

Mesmo que seus candidatos não figurem entre os primeiros colocados nas pesquisas de intenção de voto, os partidos de esquerda não se mostram dispostos a abrir mão de representantes na corrida presidencial. O PCdoB aposta na deputada estadual gaúcha Manuela d’Ávila, ao passo que o PDT tem como candidato o ex-ministro Ciro Gomes. Já o PSOL aguarda resposta de Guilherme Boulos, líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), que, caso não aceite será substituído por outro nome.

Em meio a um momento de crise aguda do PT, cresce a resistência dos demais partidos de esquerda em relação à sua busca por hegemonia nesse espectro político. Com a situação mais delicada para Lula, dirigentes partidários acreditam que eleitores podem buscar outras opções à esquerda. Além disso, a estratégia de lançar candidatos ao Planalto pode ajudar as legendas a difundir valores e princípios, de olho em aumentar o tamanho de suas bancadas no Legislativo.

Por outro lado, o PT já tem indicado que insistirá na candidatura de seu principal líder até as últimas consequências. Isso porque, assim, elevaria a capacidade de transferência de votos, além de potencializar a própria campanha de deputados, senadores e governadores. Para Lula, a candidatura também funciona como uma forma de defesa pessoal.

Ao que parece, desta vez será mais difícil para a esquerda driblar os riscos de uma fragmentação. Ao menos no primeiro turno das eleições presidenciais.