Apoio de Marina Silva será “crucial” no segundo turno, avalia Credit Suisse

Serra tende a buscar o apoio da candidata do PV e concentrar sua campanha no Sul e Sudeste, mas Dilma mantém favoritismo

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Com uma votação bastante acima do esperado, Marina Silva (PV) surpreendeu nas urnas no último domingo (3) e contribuiu para que a disputa presidencial chegasse ao segundo turno. Desta forma, o apoio da candidata na segunda fase da campanha, seja à ex-ministra Dilma Rousseff (PT) ou ao tucano José Serra (PSDB), é avaliado como “crucial” pelo banco Credit Suisse.

Assumindo que Dilma e Serra cheguem ao segundo turno com os mesmos votos obtidos na primeira fase da campanha, a ex-ministra precisaria capturar cerca de 15% dos votos obtidos pelos demais candidatos. Por sua vez, Serra teria que obter 85% dos votos para vencer a disputa.

“Entendemos que a vantagem de Dilma no 1º turno indica um favoritismo significativo da candidata do PT na eleição do 2º turno. No entanto, as composições regionais tendem a ser favoráveis ao crescimento da candidatura Serra”, diz a equipe do Credit Suisse.

Aprenda a investir na bolsa

Além de buscar apoio de Marina, a perspectiva é de que o ex-governador de São Paulo concentre seus esforços nas regiões Sul e Sudeste, principalmente nos estados de São Paulo e Minas Gerais, onde o PSDB venceu logo no 1º turno. Neste cenário, o apoio dos candidatos Geraldo Alckmin (SP) e Antonio Anastasia (MG) é considerado definitivo para a transferência de votos. 

Para José Serra, há elementos para a proximidade entre o PV e sua campanha. “O PV sempre me apoiou na prefeitura e no governo de São Paulo”, afirmou nesta segunda-feira, frisando que Eduardo Jorge, secretário do Meio Ambiente durante sua gestão, é filiado ao PV.

A performance dos candidatos
A candidata do PV mostrou uma performance bastante acima da sugerida nas pesquisas, alcançando 19,3% dos votos válidos, enquanto Serra ficou com 32,6% e Dilma liderou com 46,9% da preferência do eleitorado. Depois da eleição no último domingo, Marina deseja fazer uma votação plenária para definir qual candidato seu partido decidirá apoiar.