Analistas do Pactual projetam impactos das eleições sobre as elétricas

Cemig, Copel e Celesc podem sofrer impactos a depender dos resultados do pleito em seus estados

SÃO PAULO – A menos de uma semana da realização do primeiro turno das eleições, o Pactual enviou relatório comentando os possíveis impactos dos resultados do pleito sobre as ações das companhias elétricas.

Para o setor em geral, o banco carioca reforçou suas perspectivas otimistas, citando a melhora do ambiente regulatório, as boas projeções macroeconômicas e o cenário positivo para o preço da energia.

Cemig e Copel: poucas mudanças

Em Minas Gerais e no Paraná, os analistas do Pactual acreditam que as prováveis reeleições dos governadores Aécio Neves e Roberto Requião, amplamente esperadas, devem ter um impacto neutro sobre as ações das elétricas estatais.

PUBLICIDADE

No caso de Requião, os analistas ainda ressaltam que um segundo mandato traria muito menos surpresas, o que seria positivo para as ações da Copel.

Celesc: privatização?

Já em Santa Catarina, o Pactual acredita que o cenário pode ser diferente, já que, de acordo com discursos realizados em 2005, o governador do Estado Luiz Henrique da Silveira teria interesse em privatizar a Celesc em um eventual segundo mandato.

No entanto, ainda que Silveira tenha boas chances de se reeleger no primeiro turno, os analistas revelam que ainda é cedo para precificar a venda da estatal.