Lava Jato

Aliados veem que ofensiva contra Lula não acabou e comparam caso ao de Vaccari

Segundo o Estadão, interlocutores do ex-presidente veem que o real objetivo da PF era buscar subtração e ocultação de provas que pudessem justificar prisão de Lula

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, após a condução coercitiva de Luiz Inácio Lula da Silva na última sexta-feira (4) no âmbito da Operação Lava Jato, dirigentes do PT e interlocutores do ex-presidente avaliam que a ofensiva contra ele pode ainda não ter acabado.

Petistas comparam a situação de Lula com a do ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Primeiro ele foi alvo de condução coercitiva e menos de dois meses depois estava preso. Pessoas próximas a Lula ficaram com a impressão de que o objetivo real dos investigadores não era encontrar registros de repasses da empreiteiras investigadas, mas sim indícios de subtração de documentos ou ocultação de provas que pudessem justificar um pedido de prisão de Lula sob alegação de obstruir a Justiça. O fato de ter havido busca no apartamento da ex-deputada Clara Ant, diretora do Instituto Lula, que não é investigada, é um forte indício que sustenta a tese.

Por outro lado, interlocutores ouvidos pelo jornal avaliam que o ímpeto da Lava Jato contra o ex-presidente arrefeceu no final de semana em função da reação de ministros do STF. Lembra-se também que Lula tem um peso político extremamente maior do que o de Vaccari, o que ensejaria mais cuidado de Moro em um possível pedido de prisão do petista. Contudo, eles não descartam novas investidas.

Aprenda a investir na bolsa

InfoMoney faz atualização EXTRAORDINÁRIA na Carteira Recomendada; confira

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa