STOCK PICKERS Pedro Chermont e Hulisses Dias falam sobre as lições de Warren Buffett que podemos aplicar nesta crise; assista

Pedro Chermont e Hulisses Dias falam sobre as lições de Warren Buffett que podemos aplicar nesta crise; assista

Eliseu Padilha

Aliado de Temer, ministro anuncia ao PMDB desembarque do governo

Saída de Eliseu Padilha do governo liga luz amarela no Planalto e sinaliza descolamento ainda maior do PMDB em momento de fragilidade da presidente Dilma Rousseff

SÃO PAULO – O ministro da Secretaria da Aviação Civil, Eliseu Padilha – figura aliada ao vice-presidente Michel Temer no PMDB -, disse a correligionários que vai deixar o governo. As informações foram dadas pelo portal Estadão, na manhã desta sexta-feira (4). Na mesma linha, Folha e O Globo informaram que o peemedebista tentou entregar sua carta de demissão ao ministro Jaques Wagner (Casa Civil) na noite de ontem, mas não foi recebido. Ele, então, protocolou a carta de demissão no Palácio do Planalto. Padilha foi um dos nomes responsáveis pela articulação política do governo Dilma Rousseff em meados deste ano, em uma tentativa de se controlar a rebelião na base peemedebista na Câmara dos Deputados.

Conforme conta o jornalista Erich Decat, o ministro tentou se reunir com Dilma na véspera, mas não obteve êxito. A conversa deverá ocorrer na próxima segunda-feira (7). A decisão, se confirmada, coloca um sinal de alerta no Planalto, que já se preocupa com as movimentações de bastidores e o distanciamento de Temer da luta contra o impeachment de Dilma. O desembarque de Padilha pode ser lido como um recado do grupo do vice-presidente, que já se prepara para ter condições de assumir caso a petista caia.

Segundo na linha sucessória, Temer não esteve presente no pronunciamento de Dilma contra a abertura de impeachment na última quarta-feira, como tampouco participou das principais discussões com integrantes da cúpula do governo e de se posicionar publicamente sobre a instauração do processo de impedimento da presidente. Também tem apresentado conduta intrigante o presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL), que, até o momento, preferiu a distância. Nesta semana, o Supremo Tribunal Federal autorizou a abertura de inquéritos para investigar Renan, o que o coloca mais próximo ao epicentro da operação Lava Jato.

PUBLICIDADE