Aldo Rebelo decide permanecer em secretaria e não será vice de Ricardo Nunes em SP

Com Aldo fora da briga, a disputa pela indicação à vaga de vice de Nunes afunila entre o coronel reformado da PM Ricardo Mello de Araújo e as vereadoras Rute Costa e Sonaira Fernandes, todos do PL de Jair Bolsonaro

Fábio Matos

Aldo Rebelo, hoje secretário de Relações Internacionais da cidade de São Paulo, foi ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff e presidente da Câmara dos Deputados (Foto: Divulgação)
Aldo Rebelo, hoje secretário de Relações Internacionais da cidade de São Paulo, foi ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff e presidente da Câmara dos Deputados (Foto: Divulgação)

Publicidade

Filiado ao MDB desde abril deste ano, o ex-deputado federal e ex-ministro Aldo Rebelo (SP) decidiu permanecer no comando da Secretaria Municipal de Relações Internacionais da capital paulista e não será candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada por Ricardo Nunes (MDB), que tentará a reeleição em outubro.

De acordo com a legislação eleitoral, secretários municipais que querem concorrer a uma vaga de prefeito ou vice-prefeito devem deixar seus cargos, no máximo, até 4 meses antes do pleito. Esse prazo expirou às 23h59 de quarta-feira (5).

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

O primeiro turno das eleições municipais está marcado para o dia 6 de outubro. O segundo acontecerá no dia 27 de outubro. Aldo e Nunes “bateram o martelo” em uma reunião que ocorreu na quarta-feira, última dia do prazo-limite para a desincompatibilização.

“Falei com o Aldo, e ele achou melhor não aceitar meu pedido para ele sair e ficar apto. Ele entende que ajudará muito mais na campanha”, disse o prefeito, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo.

O nome de Aldo Rebelo vinha sendo defendido por setores de partidos que devem compor a coligação de Ricardo Nunes. Um dos entusiastas da ideia era o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), aliado do prefeito.

Continua depois da publicidade

Com Aldo fora da briga, a disputa pela indicação à vaga de vice de Nunes afunila entre o coronel reformado da Polícia Militar (PM) Ricardo Mello de Araújo (PL) – nome de preferência do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) – e as vereadoras Rute Costa e Sonaira Fernandes, ambas também do PL.

Também são especulados, mas com menor força, os nomes do deputado estadual Tomé Abduch (Republicanos) e da delegada Raquel Gallinati, suplente de deputada estadual pelo PL.

Leia também:
Entrevista: Ex-ministro de Lula, Aldo Rebelo diz que presidente mostra “incapacidade de governar”

Continua depois da publicidade

Em entrevista ao InfoMoney, em abril (leia aqui), Aldo Rebelo já afirmava que não pretendia ser candidato a vice-prefeito de São Paulo neste ano.

“Eu recebo com gratidão a lembrança do meu nome, mas não pretendo ser candidato a vice. Acho, inclusive, que não existe candidatura a vice. A vaga de vice é uma solução do candidato a prefeito ou dos partidos que integram a coalizão de apoio ao prefeito”, disse o secretário, na ocasião. “Não me cabe, nesse caso, opinar sobre a melhor solução que será encontrada pelos integrantes da coligação.”

Trajetória

Depois de militar por 40 anos no PCdoB (de 1977 a 2017), Rebelo passou por outros três partidos, todos de esquerda: PSB (2017-2018), Solidariedade (2018-2019) e PDT (2022-2024), pelo qual foi candidato ao Senado (teve pouco mais de 1% dos votos). Em fevereiro deste ano, ele se licenciou da legenda ao aceitar o convite Nunes para assumir a Secretaria Municipal das Relações Internacionais – sucedendo Marta Suplicy, que voltou ao PT.

Continua depois da publicidade

Entre 1980 e 1985, Rebelo teve uma passagem pelo MDB, em um período no qual o PCdoB havia sido colocado na ilegalidade pela ditadura militar. Além do MDB, o secretário era sondado por outros partidos que devem apoiar Nunes, como o Republicanos e o União Brasil, mas optou pela mesma legenda do prefeito.

Aldo Rebelo integrou o primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), como ministro das Relações Institucionais (2004-2005); e os dois governos de Dilma Rousseff (PT), ocupando os ministérios do Esporte (2011-2015), da Ciência e Tecnologia (2015) e da Defesa (2015-2016).

Deputado federal por seis mandatos consecutivos, entre 1991 e 2015, ele também foi presidente da Câmara dos Deputados, de 2005 a 2007.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”