Alckmin diz que mercado é “estressado” e reclama do juro alto: “Não há razão”

Presidente em exercício com a viagem de Lula à Bolívia, Geraldo Alckmin (PSB) também afirmou que não há motivo para a recente disparada do dólar frente ao real: "Não tem nenhuma razão para ter ido ao patamar que foi"

Fábio Matos

O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB), que também comanda o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços - MDIC (Foto: Edu Andrade/ Ascom/ MF)
O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB), que também comanda o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços - MDIC (Foto: Edu Andrade/ Ascom/ MF)

Publicidade

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin (PSB), voltou a criticar, nesta terça-feira (9), o patamar atual da taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, hoje em 10,5% ao ano.

Alckmin conversou com a imprensa após participar de um evento promovido pelo Sebrae, em Brasília (DF).

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

O vice-presidente, que é o presidente em exercício do país com a viagem oficial de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Bolívia, também reclamou do comportamento de parte do mercado financeiro, que, segundo ele, tem se “estressado” sem justificativa para tal.

“Tem três fatores que devemos observar: risco-Brasil, inflação e taxa de desemprego. Os três caíram. A inflação está abaixo de 4%. O que cresceu foram o emprego, a renda e o PIB”, afirmou Alckmin.

“Se olharmos o tripé macroeconômico, o câmbio é flutuante. Do mesmo jeito que subiu, ele reduz. Ele tem oscilações e deve ser flutuante mesmo. Acredito que vai cair mais. A tendência é que caia mais. É que o mercado é estressado. Mas não tem nenhuma razão para ter ido ao patamar que foi”, disse o presidente em exercício, em referência à série recente de altas da cotação do dólar frente ao real.

Continua depois da publicidade

“A reforma tributária vai simplificar, desonerar investimento e desonerar importação. Ela vai ajudar e trazer eficiência econômica. Os juros estão altos, mas tenho confiança de que vão cair. Não há razão para você ter a segunda taxa de juros do mundo”, prosseguiu Alckmin. “Temos confiança de que isso é transitório e a tendência dos juros é cair.”

Em sua fala aos jornalistas, Alckmin reiterou o compromisso do governo Lula com o cumprimento das metas fiscais – a desconfiança em relação a esse compromisso foi um dos motivos para a disparada recente do dólar e a desvalorização do real.

“O governo tomou duas medidas importantes. O presidente Lula deixou claro que tem compromisso com o arcabouço fiscal e compromisso com déficit primário zero. E o ministro [da Fazenda] Fernando Haddad ainda fez mais: disse que vai zerar o déficit e cumprir o arcabouço fiscal melhorando a eficiência do gasto público, cortando pelo lado da despesa”, concluiu Alckmin.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”