Alckmin diz esperar que Câmara reduza exceções na reforma tributária

Vice-presidente reiterou a importância da proposta para a eficiência econômica e o crescimento do Produto Interno Bruto

Equipe InfoMoney

Brasília (DF), 06/07/2023 - O vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, durante entrevista coletiva após reunião do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Publicidade

O presidente em exercício da República, Geraldo Alckmin, afirmou nesta, sexta-feira (01), que espera que a Câmara dos Deputados reduza o número de exceções presentes na reforma tributária (PEC45/2019). “Quanto menos exceções, mais eficiência teremos”, frisou.

Após ser aprovado no Senado Federal com alterações, que incluem dois regimes diferenciados (de 60% e 70% em relação ao valor cheio) para segmentos específicos, o texto voltou à Câmara para nova análise dos deputados. A promulgação da matéria depende da formação de consenso entre os parlamentares sobre todos os pontos da proposta, uma vez que se trata de uma proposta de emenda constitucional.

O texto institui um Imposto sobre Valor Agregado (IVA), composto pelo Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e pela Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS). Enquanto o primeiro irá substituir o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), de responsabilidade dos Estados, e o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), recolhido por municípios, o segundo deverá vigorar no lugar do Programa de Integração Social (PIS), do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). A definição das alíquotas será por meio de lei complementar, após a promulgação da PEC.

Continua depois da publicidade

Alckmin reiterou a importância da matéria para a eficiência econômica e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), em participação virtual no almoço anual da Febraban com dirigentes de bancos.

O presidente em exercício também defendeu que o Brasil está encerrando o ano com um quadro mais positivo.

“Tivemos uma redução do risco Brasil de 2,5% para 1,5%”, disse Alckmin, que também citou o recuo do câmbio e o processo de queda da taxa de juros.

O recuo do desemprego para 7,6% no trimestre móvel encerrado em outubro, a ampliação do crédito e o recorde no saldo comercial também foram destacados, assim como a aprovação do arcabouço fiscal. “O governo trabalha para atingir as metas do arcabouço”, pontuou.

Alckmin ressaltou ainda o trabalho do governo para ampliar acordos comerciais e destacou a reunião com o Mercosul prevista para semana que vem, além do trabalho em acordos do bloco com Cingapura e a União Europeia.

(Com Agência Estado)

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.