Quem quer ser presidente?

Alckmin amplia ofensiva contra Doria e “guerra fria” tucana esquenta

Governador avança casas na batalha, com aliados encomendando pesquisas para medir o impacto das viagens do prefeito pelo país sobre sua popularidade na capital paulista

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A guerra fria travada entre Geraldo Alckmin e seu pupilo político João Doria está cada vez mais aberta, com a intensificação da agenda de viagens pelo Brasil por parte do prefeito de São Paulo. Enquanto o prefeito tenta tornar seu nome mais conhecido e entrar na disputa como o candidato oficial “anti-Lula”, o governador se esforça em valorizar a imagem da experiência, em um momento em que a demanda popular por renovação na política joga contra.

Conforme conta a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, Alckmin avançou algumas casas nessa batalha, com aliados encomendando pesquisas para medir o impacto das viagens de Doria pelo país sobre sua popularidade como prefeito. A tese que circula no Palácio dos Bandeirantes é que o possível candidato que se vende como um “gestor” na política pode estar perdendo aprovação entre os paulistanos por estar muito tempo fora da cidade. Do lado de Doria, a luta é para ultrapassar a marca de 20% de intenções de voto, ampliando a pressão sobre seu padrinho político.

E a disputa não se restringe apenas ao tucanato. A disputa entre Doria e Alckmin passa pela conquista do apoio de outros partidos, o que é vital para cacifar uma candidatura em 2018. Isso se torna mais evidente no caso do prefeito, tendo em vista uma recente derrota sofrida dentro do próprio partido, com a decisão de escolher o candidato a presidente já em dezembro. A antecipação dificulta a estratégia do prefeito de se viabilizar como presidenciável da legenda, uma vez que exigiria um movimento mais incisivo, que iria contra as intenções de Alckmin.

Além das viagens, as costuras com outras siglas fazem parte dos planos do prefeito. Recentemente, o presidente Michel Temer acenou para ter o tucano como candidato pelo PMDB ao pleito. Da mesma forma, houve aproximações com o DEM e o próprio PRB. Foi a resposta que Doria pôde dar ao seu padrinho no xadrez tucano. Contudo, com a máquina e ampulheta nas mãos, Alckmin tem mais chances de sair vitorioso do confronto. Ainda de acordo com a coluna Painel desta quinta-feira, o governador agora atua para minar o plano B do prefeito, que seria concorrer ao governo do Estado.

A observar quais serão as próximas movimentações de João Doria.