Novas metas

Ajuste das contas públicas contemplará aumento de impostos e alguns cortes de despesas

É o que avalia a LCA Consultores, destacando que o baixo crescimento econômico torna ainda mais difícil este ajuste

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Ontem, o ministério do Planejamento encaminhou ao Congresso Nacional uma proposta de atualização da proposta de meta de resultado primário para 2015 e que informa os parâmetros macroeconômicos para 2016 e 2017.

Conforme anunciado na semana passada pelo ministro indicado da Fazenda, Joaquim Levy, a meta de superávit primário foi reduzida de 2% para 1,2% no próximo ano, considerando a redução relativa ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Para os dois anos seguintes, o governo perseguirá uma economia de 2% do PIB.

E, segundo aponta a LCA Consultores, como este ano o resultado primário recorrente provavelmente será deficitário, o esforço fiscal a ser empreendido pelo Governo Federal será grande em 2015.

Aprenda a investir na bolsa

“Em nossa avaliação, o ajuste das contas públicas contemplará aumento de impostos e alguns cortes de despesas. O baixo crescimento econômico torna ainda mais difícil este ajuste”, afirmam os economistas da consultoria.

Conforme ressalta o Barclays, se o governo quer ir mais longe, poderia restabelecer a CPMF (imposto sobre transações financeiras), eliminado em 2007, o que poderia melhorar o saldo orçamental em 0,3% no próximo ano (supondo que ele seria aprovado no final do terceiro trimestre de 2015). De forma mais ampla, os subsídios e benefícios sociais em geral podem ser discutidos novamente.