Agripino: partido Democrata irá votar contra a alteração na regra da poupança

Para o líder do DEM, governo não deve depender dos fundos e nem colocar peso de dívidas públicas nas costas dos poupadores

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O senador José Agripino (DEM-RN) foi categórico ao pronunciar nesta quinta-feira (14) o posicionamento do partido Democrata em relação às novas alterações nas regras das poupanças propostas pelo governo na véspera desta data. “Nunca ninguém neste país mexeu em rendimento de poupança e para isto vão ter que passar por cima do partido Democrata”, indignou-se o senador.

A modificação proposta consiste na cobrança de Imposto de Renda sobre as poupanças que possuírem valores superiores à R$ 50 mil, uma vez que a taxa básica de juro do País vem sendo reduzida nas últimas reuniões da autoridade monetária nacional. A medida seria tomada com o intuito de coibir a migração do dinheiro aplicado em fundos de investimentos para as cardenetas.

Dívida pública

Atualmente, o dinheiro que é aplicado nos fundos de investimentos é utilizado para financiar as dívidas públicas, que somam R$ 1,3 trilhão. Para Agripino, o governo não deve ficar nem na dependência dos fundos e nem depositar a responsabilidade das dívidas nos poupadores, mas sim encontrar uma nova maneira de “fazer dinheiro”.

Aprenda a investir na bolsa

“Temos uma posição muito clara: vamos votar contra. O governo para continuar a rolar a dívida interna está dificultando a vida da classe média, quebrando a credibilidade da instituição poupança e prejudicando os poupadores, mesmo aqueles que têm mais de 50 mil reais, em torno de dois milhões de brasileiros”, declarou.

Selic

O senador destacou em seu pronunciamento ainda que a taxa básica de juro doméstica está entre as mais elevadas do mundo, e lamentou que a redução na Selic tenha sido tomada em atraso pelo Poder Executivo.

“O governo está prisioneiro do próprio modelo. Está taxando a poupança já que, baixando a Selic, também baixa o nível de rendimento dos fundos. Para evitar a migração, em vez de garantir a remuneração do CDB (Certificado de Depósito Bancário), vai é baixar o rendimento da poupança para deixar de ser atrativa ao investidor a sua migração para ela”, concluiu Agripino.