Agência descarta vazamento nuclear em usina japonesa danificada por terremotos

A pequena quantidade de radioatividade liberada após o abalo sísmico ficou abaixo dos limites autorizados

SÃO PAULO – Foi divulgado, na última semana, o relatório sobre as conseqüências causadas à Central Nuclear de Kashiwasaki-Kariwa pelos dois terremotos que atingiram o Japão em 16 de julho.

De acordo com as infomrações da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), divulgadas pela Central de Energia Nuclear de Angra dos Reis, a pequena quantidade de radioatividade liberada após o abalo sísmico ficou abaixo dos limites autorizados pela saúde pública e pela segurança ambiental.

Os danos se limitaram às partes da usina não relacionadas com os sistemas de segurança do reator, isto é, onde não há radioatividade.

Futuro

PUBLICIDADE

De acordo com informações da Tokyo Eletric Power Company (TEPCO), responsável pela usina, a Kashiwasaki-Kariwa permanecerá desligada, por tempo indeterminado, em condição estável e sem impacto nos índices de radioatividade medidos no ambiente externo.

O abalo de 6.6 pontos na escala Richter excedeu significativamente o nível sísmico para o qual as usinas japonesas foram projetadas. A robustez do projeto – que possui margens de segurança incorporadas nas estruturas, sistemas e componentes – explicam porque os danos foram menores do que o esperado.