Eleições

Aécio sobe 4 pontos percentuais e aumenta chances de 2º turno, aponta Datafolha

Com 37% dos votos, Dilma ainda está na dianteira entre a preferência do eleitorado para se reeleger, revela a pesquisa, mas aumento das intenções de voto em Aécio levaria eleição para 2º turno

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Com 37% dos votos, Dilma Rousseff (PT) ainda está na dianteira entre a preferência do eleitorado para se reeleger à presidência, aponta pesquisa Datafolha divulgada na manhã desta sexta-feira (9) pelo jornal Folha de S. Paulo. Contudo, as chances de arrematar as eleições logo no primeiro turno diminuíram consideravelmente dado o crescimento de 4 pontos percentuais na intenção de voto em Aécio Neves (PSDB), revela a pesquisa.

No cenário mais provável, Dilma teria 37% das intenções de voto e os outros candidatos teriam somados 38% das intenções, o que configura uma situação de empate técnico, uma vez q ue a margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. 

Aécio Neves passou de 16% das intenções de voto na última pesquisa Datafolha para 20%, enquanto Eduardo Campos (PSB) passou de 10% para 11%. Dilma teve um leve recuo, de 38% para 37%. Contudo, na simulação de segundo turno, Dilma superaria Aécio por 47% a 36% das intenções de voto e também venceria Eduardo Campos por 49% a 32%. 

Aprenda a investir na bolsa

Os resultados do Datafolha são fruto de entrevistas com 2.844 eleitores, em 174 municípios. 

Outro fator que se configura como negativo para a presidente são os índices de rejeição. No levantamento do Datafolha, 35% não votariam nela, contra 33% em Campos, 31% em Aécio e apenas 17% em Lula, que tem a menor rejeição.

Já um aspecto positivo é que as expectativas econômicas pararam de se deteriorar; por outro lado, continua a crescer o desejo do eleitorado por mudanças. Atualmente, 74% dos eleitores dizem querer mudanças na forma como o País é governado e, para o e eleitorado, Lula seria o mais preparado (38%). Já Dilma foi citada por 15%, ante 16% em abril. Enquanto isso, a aprovação ao governo ficou praticamente estável, passando de 36% no último levantamento para 35%.