Reta final

Aécio responsabiliza governo por “campanha de mais baixo nível”

Durante coletiva de imprensa em Goiânia, presidenciável do PSDB destacou que das últimas 22 inserções do PT no rádio e na televisão, 19 tinham como objetivo desqualificá-lo e atacá-lo.

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O presidenciável do PSDB, Aécio Neves, fez um desabafo nesta terça-feira sobre a eleição estar sendo marcada por um tom agressivo. Ele ressaltou a quantidade de calúnias e difamações que foram feitas durante a corrida presidencial.

“Essa campanha vai passar para a história como a de mais baixo nível pela ação do governo”, afirmou durante coletiva de imprensa em Goiânia, antes de participar de um comício ao lado de seu correligionário Marconi Perillo, que concorre à reeleição ao governo de Goiás.

O tucano destacou que das últimas 22 inserções do PT no rádio e na televisão, 19 tinham como objetivo desqualificá-lo e atacá-lo. Aécio afirmou que não deixará nenhum ataque sem resposta, mesmo após sua equipe de campanha ter decidido que ele focaria na apresentação de propostas e evitaria os confrontos agressivos com a candidata do PT à presidência, Dilma Rousseff.

Aprenda a investir na bolsa

“Temos de dizer não às infâmias, às calúnias e às mentiras que, por desespero, nossos adversários lançam sobre nós. A cada mentira, vamos responder com dez verdades para eles que não merecem mais a confiança dos brasileiros”, afirmou o candidato peessedebista.

Rouco, Aécio convocou o eleitorado do Estado a encerrar o período “da corrupção, do desgoverno, da irresponsabilidade, da infâmia e da mentira”. “Vim aqui com a coragem e a determinação para encerrar esse ciclo perverso de governo do PT que os brasileiros não merecem mais viver”, desabafou.

Perillo também defendeu o correligionário e pediu votos para o neto de Tancredo Neves. “O Brasil vive hoje um momento esplendoroso. Há muitos anos uma disputa eleitoral não carrega tantas possibilidades de transformação e de mudanças. Eu estou seguro de que juntos estamos chegando aqui e haveremos de administrar o Goiás e o Brasil”, concluiu.