Pedido de expulsão

Aécio pede expulsão de tucano que ameaçou “arrancar a cabeça” de Dilma

"As recentes manifestações violentas de Sathler contra a presidente Dilma Rousseff não condizem com o que prega o programa do PSDB nem estão em sintonia com o que se espera de um filiado ao partido", afirmou o senador

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em nota, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, informou que vai solicitar ao Conselho de Ética do PSDB a abertura de processo disciplinar contra Matheus Sathler Garcia com o objetivo de expulsá-lo do partido.

Na avaliação do senador, “as recentes manifestações violentas de Sathler contra a presidente Dilma Rousseff não condizem com o que prega o programa do PSDB nem estão em sintonia com o que se espera de um filiado ao partido”.

Ontem, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou a abertura de inquérito pela Polícia Federal para apurar as ameaças proferidas contra a presidente Dilma Rousseff por Garcia.

Aprenda a investir na bolsa

O advogado chegou a divulgar um vídeo na internet em que ameaça promover um golpe militar e decapitar a presidente. Divulgado dia 25, Matheus se identifica e sugere à presidente que fuja do Brasil ou cometa suicídio. Sathler começa sua fala afirmando que dará um “recado claro à presidanta Dilma Rousseff” e fala que ela tem até 23h59 para “renunciar ou se suicidar”. 

E continua que, caso contrário, “no dia 7 de Setembro a gente não vai pacificamente para as ruas. Vamos, juntamente com a as forças armadas populares do Brasil, te tirar do poder. Com a foice e o martelo nós vamos arrancar a sua cabeça. Aqui não é ameaça, nem aviso. Porque quando o povo agir já vai ter mais volta. Renuncie, fuja do Brasil ou se suicide”. E volta a ameaçar: “tenha humildade para sair do País porque caso contrário o sangue vai rolar”.

 A decisão do ministro José Eduardo Cardozo foi encaminhada ao Diretor-Geral da Polícia Federal, Leandro Daiello. “As medidas legais serão aplicadas ao caso para que, realizada a investigação policial, possam ser tomadas as sanções penais cabíveis”, afirmou a nota do ministério.