RADAR INFOMONEY Méliuz (CASH3): o que explica a disparada da ação? Por que ela está subindo mais de 7% só nesta sexta?

Méliuz (CASH3): o que explica a disparada da ação? Por que ela está subindo mais de 7% só nesta sexta?

Entrevista

“Aécio Neves seria amigo da Bolsa”, diz deputado do PSDB

Na opinião do congressista, um mercado de capitais forte é importante para o desenvolvimento econômico

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – As eleições de 2014 estão cada vez mais próximas, e há três candidatos fortes: Dilma Rousseff, Aécio Neves e Eduardo Campos. Para Otávio Leite, deputado federal pelo PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira), um eventual governo de Aécio seria muito mais favorável para a economia nacional e para o mercado acionário. “O governo de Aécio Neves vai ser amigo da Bolsa de Valores”, afirma o deputado, que é autor de um projeto de lei que pretende impulsionar a bolsa nacional, o Brasil+Competitivo – que garante isenções fiscais às PMEs (Pequenas e Médias Empresas) nacionais. 

Na opinião do congressista brasileiro, para o desenvolvimento da economia nacional, é importante haver um mercado de capitais forte, que consiga atrair o dinheiro necessário para os grandes investimentos brasileiros.

Ele aponta isso como o grande diferencial em relação ao atual governo petista. “O governo petista tem um verdadeiro preconceito com a Bolsa, não entende que ela é um instrumento para o desenvolvimento econômico. Hoje ela é extremamente subutilizada no Brasil”, acredita o deputado carioca.

Um mercado de capitais mais forte…
A solução para o fraco crescimento nacional, portanto, passaria por projetos que aumentem a atração do mercado de capitais brasileiro – sobretudo para as pequenas e médias empresas, que atualmente não possuem acesso fácil a esse tipo de financiamento. “Eu venho discutindo sobre o que fazer para destravar o mercado de ações e permitir a expansão da atividade econômica através de investimentos em mercado”, afirma o deputado. 

O Brasil+Competitivo prevê garantir isenções fiscais e algumas obrigações legais para as pequenas e médias empresas que aderirem a segmentos especiais de listagem. Leite ressalta a importância de garantir que isso não fique restrito à BM&FBovespa. A competição no mercado de capitais, acredita ele, faria bem ao mercado nacional. “Acho interessante deixar explícito a possibilidade de novas Bolsas aqui no Brasil”, afirma. 

…fará maravilhas para a economia
Esse fortalecimento do mercado de capitais tem como interesse fortalecer o desenvolvimento da economia nacional – que, na avaliação de Leite, não anda bem. “Somos a sétima economia do mundo, somente para inglês ver. O que temos, hoje, é um governo com pífia capacidade de investimento, com o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) travado e sem executar 25% do permitido pelo Congresso, o desemprego crescendo, a inflação batendo na porta da dona de casa e um crescimento de PIB ridículo”, avalia. 

O Brasil+Competitivo tenta destravar o financiamento para pequenas e médias empresas, uma das principais fontes de emprego no Brasil e, possível indutor do crescimento futuro – conforme a economia deixe de ser tão produtora de artigos primários e manufaturas simples e passe a ser mais empreendedora. “Precisamos chamar a atenção para isso e o meu projeto oferece uma proposta razoável”, alerta o deputado.