Ato contra governo

Aécio chama manifestantes para ato de domingo: “vá para a rua defender o Brasil”

"A rua é do povo como o céu é do avião. Portanto, pegue seus amigos, chame sua família e vá para a rua defender a democracia, vá para a rua defender o Brasil", afirmou o senador

SÃO PAULO – Em vídeo divulgado no Facebook na tarde desta sexta-feira (13), o presidente nacional do PSDB e senador Aécio Neves (PSDB-MG) pediu às pessoas que vão para a rua “defender o Brasil”, em referência às manifestações contra o governo, no próximo dia 15.

“O próximo domingo, dia 15, vai ser lembrado para sempre como o Dia da Democracia, o dia em que os brasileiros acordaram e foram pra rua, para dizer ‘chega de tanta corrupção”, “chega de tanta incompetência”, “chega de tanta mentira’. A rua é do povo como o céu é do avião. Portanto, pegue seus amigos, chame sua família e vá para a rua defender a democracia, vá para a rua defender o Brasil”.

Em artigo desta sexta-feira, o Instituto Teotônio Vilela, ligado ao PSDB, afirmou que o Brasil deverá viver, neste domingo, um dos momentos mais marcantes da sua história política recente. “A mobilização em defesa da ética e contra a corrupção incrustada no poder pelo PT tende a ser um marco das mobilizações pela cidadania e pela democracia no País”, afirmou.

PUBLICIDADE

O instituto destaca que o movimento pela cidadania convocado para domingo diferencia-se de quase tudo dos atos convocados para hoje por entidades-satélites do PT. “Mas mesmo as manifestações pró-governo da CUT e do MST também expressam insatisfações quanto aos rumos que Dilma Rousseff vem dando ao país – e tornam a presidente cada dia mais sitiada, como ficou claro com o cancelamento da agenda que ela teria hoje em Belo Horizonte”, afirma.

A partir de domingo, restará claro, de uma vez por todas, que o PT não detém o monopólio da vontade dos brasileiros, nem poderá mais usar o povo como massa de manobra. Sobrará ao petismo continuar esperneando contra seus adversários, sempre tentando rotular qualquer manifestação crítica como ‘golpismo'”.