“Acordo está quase feito”, afirma congressista dos EUA sobre ajuda de US$ 700 bi

Em entrevista à rede CNBC, representante Paul Kanjorski afirma estar mais otimista que nunca para sua aprovação

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Em entrevista à rede norte-americana CNBC nesta quinta-feira (25), o parlamentar democrata Paul Kanjorski revelou que o acordo para aprovação do plano de ajuda ao setor financeiro esta próximo, impulsionando esperança entre os agentes de mercado por uma solução rápida.

Membro importante da Casa dos Representantes – análoga à Câmara dos Deputados brasileira -, Kanjorski pertence à oposição ao governo republicano, atualmente majoritária no Congresso norte-americano, às vésperas de um recesso por conta das eleições que se aproximam.

Esforço conjunto

A fragilidade das forças governistas no poder legislativo acrescentou incertezas sobre a velocidade com que a proposta do secretário do Tesouro, Henry Paulson, tramitaria. No entanto, os esforços bipartidários aparentam ter surtido efeito e o projeto final deve ser submetido ao plenário das duas casas em breve.

PUBLICIDADE

Segundo o representante, participante da comissão de serviços financeiros da Casa e presidente da subcomissão sobre os mercados de capitais, “quase tudo que todos pedem como condição já foi acertado e consta no projeto”, restando apenas as negociações sobre alguns pontos entre as duas casas legislativas.

Reta final

Mais importante, o congressista afirmou que já existem votos suficientes para sua aprovação tanto no Senado, quanto na Casa dos Representantes, o que alimenta as esperanças de que as medidas sejam aprovadas rapidamente.

Bem humorado, Kanjorski afirmou que o Congresso realizou um “tremendo progresso” no plano de resgate ao setor financeiro, mas não deu detalhes sobre o valor final do plano – inicialmente proposto para US$ 700 bilhões -, limitando-se a dizer que sua extensão deverá ser suficiente para sinalizar aos mercados a seriedade do governo. “Estou mais otimista nesta manhã do que jamais estive”, concluiu o democrata.