Acesso ao crédito pela baixa renda viabiliza economia das cidades, diz pesquisa

Pesquisadores afirmam, ainda, que o crédito e outros produtos financeiros são fundamentais na luta contra a pobreza

SÃO PAULO – O acesso ao crédito e a outros tipos de serviços financeiros por pessoas de baixa renda é fundamental para a viabilidade econômica de São Paulo, Rio de Janeiro, Bogotá, Buenos Aires, Caracas, Cidade do México e Santiago.

A conclusão é da pesquisa “Mercado de Crédito Popular nas Sete Principais Cidades da América Latina”, realizada pela MasterCard WorldWide. “Esse estudo nos deu uma visão mais clara de como o acesso ao crédito no segmento de baixa renda é fundamental para incentivar o crescimento da economia nos países em desenvolvimento, seja por meio do crédito pessoal ou do crédito corporativo”, explica o vice-presidente sênior de produtos da empresa para a América Latina e Caribe, Max Chion.

Já para um dos condutores da pesquisa, o acadêmico Jon Cloke, o crédito é fundamental na luta contra a pobreza. “Com os dados do levantamento entendemos que a melhoria do acesso de baixa renda aos serviços financeiros é indispensável para reduzir a pobreza nessas cidades”.

Contraste

PUBLICIDADE

A pesquisa evidenciou o contraste entre as cidades analisadas. Para se ter idéia, na cidade do México apenas 50% da população tem acesso a serviços financeiros.

Já o Brasil apresenta um panorama mais positivo que, segundo Cloke, é resultado da estabilidade econômica que o País vive desde os anos 90, com a chegada do Real e o controle da inflação.

Por aqui, há crescimento contínuo da oferta de cartões de crédito, que passaram de 35 milhões em 2001 para 93 milhões em 2007, um aumento de 165%.

Destaque

Entre os pontos avaliados em São Paulo, a pesquisa revela que o acesso ao mini-crédito apresenta crescimento, apesar de ainda ser baixo. Em 2007, apenas 6% dos pequenos e médios negócios usaram os micro-financiamentos. Além disso, 49% destas empresas não têm conta-corrente e 11% não fazem transações financeiras usando as vias formais.

O levantamento destaca ainda que o município passa por uma migração da população das áreas centrais para a periferia. Desde 1990, o número de pessoas que vivem na periferia aumentou de 19% para 30% em 2000.

São citados ainda o fato de que 3,4 mil pessoas estão empregadas atualmente por 2,6 milhões de micro e pequenas empresas e que as despesa domésticas e com alimentos continuam a representar 30% da média de gastos domésticos em São Paulo.

Rio de Janeiro

Já no Rio de Janeiro, a pesquisa destaca que desde o surgimento do Real, em 1994, até 2002, houve rápido crescimento do poder de compra da população de baixa renda. A partir de 2007, no entanto, as despesas domésticas e com moradia representavam 32% da média dos gastos.

No estado, 45% das micro, pequenas e médias empresas não tem conta corrente e 21% não fazem qualquer transação financeira utilizando o sistema bancário formal.

Além disso, mereceu destaque no levantamento o número de pessoas que vivem em morros do Rio de Janeiro, que cresce a uma taxa anual de 7,5%, em contrapartida ao crescimento da população urbana da cidade, que apresenta uma taxa de crescimento de apenas 2,5% aos ano.

“Vivemos um momento histórico interessante na América Latina. A maior estabilidade econômica nessa região aumentou o poder de compra das classes D e E, colocando-as em uma posição de destaque na economia desses países”, completou Cloke.