AO VIVO Radar InfoMoney: Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Radar InfoMoney: Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Perigo!

“Abismo fiscal” de janeiro pode fazer economia dos EUA contrair em 2013

Agência prevê que economia do país tenha queda de 0,5% no ano seguinte por conta do avanço de impostos e corte de gastos

arrow_forwardMais sobre
PIB dos EUA é um dos destaques do mercado nesta sessão (ShutterstocK)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A economia norte-americana pode contrair em 2013 caso passe pelo “abismo fiscal”, afirmou a agência de orçamento do congresso dos Estados Unidos na última quarta-feira (22). Esse evento, que deve ocorrer em janeiro, é um aumento automático de impostos e corte de gastos, o que deve jogar a economia em recessão.

Este evento é temido inclusive pelo Federal Reserve, que pode iniciar uma nova rodada de estímulos quantitativos por lá como forma de estimular a economia. Ben Bernanke, presidente da autoridade monetária norte-americana, porém, alertou para o fato de que ele não é único responsável pelo desempenho da economia do país – e espera maior apoio por parte dos poderes executivo e legislativo. 

A agência prevê que o país registre contração de 0,5% em 2013 – já que a economia do país tem se enfraquecido. A expectativa é que que o relatório faça com que os parlamentares procurem um acordo para evitar os cortes de gastos e aumento de impostos. Além disso, o assunto virou um dos principais temas da corrida presidencial por lá – tanto por Barack Obama, atual presidente e candidato democrata, quanto por Mitt Romney, candidato republicano. 

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com o estudo da agência, isso deve fazer com que a taxa de desemprego pule de 8,3% para 9% no segundo semestre de 2013. Às respostas ao relatório mostram o quão dividido está o congresso norte-americano: Jeb Hensarling, deputado republicano, entende que isto é a prova de que Obama enfraqueceu a economia do país, colocando-o no “caminho para menor crescimento e menos empregos”. Já o democrata Chris Van Hollen destaca que o atual presidente tem planos para diminuir déficits através do estímulo fiscal à economia.