A oferta de ações da Rosneft como forma de recuperação da imagem da Rússia

Operação tem forte apelo político e macroeconômico para o governo russo; mas lição dentro do mercado precisa ser bem feita

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A oferta de ações da petrolífera russa Rosneft – com estréia nas bolsas de Moscou e Londres prevista para 17 de julho – já vem provando seu valor como oportunidade de investimento. Mas o controlador da empresa também espera que a operação renda dividendos políticos e macroeconômicos.

Para o governo da Rússia, a distribuição primária de ações da Rosneft, a maior já organizada dentro do setor de petróleo, simboliza a recuperação das altas apostas no progresso democrático e financeiro do país.

Os defensores dessa interpretação além-mercado argumentam inclusive que a estréia em bolsa ocorrendo ao mesmo tempo que a reunião anual do G8 na Rússia não é mera coincidência. Mas sim uma ótima oportunidade de impressionar as potências mundiais.

Grande ambição, grandes desafios

Aprenda a investir na bolsa

Parece claro que as repercussões da oferta podem superar o âmbito da renda variável. Para tanto, porém, é preciso uma lição de casa bem feita dentro do mercado.

As ambições associadas à operação são grandes. Os papéis da Rosneft devem ingressar na bolsa com cotação entre US$ 5,85 e US$ 7,85. Valores que significariam uma capitalização dos US$ 8,5 bilhões aos US$ 11,6 bilhões.

Contudo, é preciso lembrar que as ações chegarão ao mercado em um momento de cautela com o desempenho de emergentes como a Rússia. O principal índice acionário do país já caiu 13% desde maio, início das turbulências.

Outra barreira está no péssimo exemplo deixado pela Yukos. Denúncias de corrupção envolvendo a ascendente da Rosneft resultaram em prejuízo para diversos investidores globais. Resta saber se eles perdoarão o passado pela promessa de ganhos renovados.