Política

A investidores, Bolsonaro reforça compromisso com teto de gastos e diz que medidas temporárias não serão permanentes

Presidente também se comprometeu com o avanço na tramitação das reformas fiscal, tributária e administrativa, além de concessões e privatizações

Presidente da República, Jair Bolsonaro durante reunião com o Ministro da Economia, Paulo Guedes. (Foto: Isac Nóbrega/PR)

SÃO PAULO – Diante do aumento da pressão pela prorrogação do auxílio emergencial e novas medidas de enfrentamento à piora do quadro da pandemia de Covid-19 no país, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou a investidores, nesta terça-feira (26), que o governo seguirá atento ao cumprimento do teto de gastos e prometeu a continuidade da agenda de reformas econômicas.

“No âmbito fiscal, manteremos firme compromisso com a regra do teto [de gastos]“, disse na abertura do evento “Latin America Investment Conference 2021”, promovido de forma virtual pelo Credit Suisse.

A regra fiscal, instituída em 2016, impede que as despesas do governo em um ano cresçam acima da inflação de 12 meses acumulada até junho do ano anterior. Com o comportamento da inflação nos últimos meses, a avaliação de economistas é que o cumprimento da medida será especialmente desafiador em 2021 e a situação da crise sanitária torna o ambiente ainda mais complexo.

“Não vamos deixar que medidas temporárias se tornem compromissos permanentes”, reforçou Bolsonaro aos investidores. O presidente também se comprometeu com o avanço na tramitação das reformas fiscal, tributária e administrativa. Além de novas rodadas de leilões, concessões e privatizações, “com estratégias de longo prazo, baixo risco e taxas atraentes e estáveis”.

“Apesar da Covid, mantemos compromisso com empreendedores, investidores e empregados”, disse. “Estamos no caminho de um crescimento projetado para 2021 de 3,5%”, pontuou.

Na sequência, o ministro Paulo Guedes (Economia) disse que o governo está monitorando o comportamento da doença, em meio à escalada de casos e óbitos recente em diversas regiões do país, e que poderá adotar uma nova rodada de medidas caso entenda ser necessário. Mas, caso isso ocorra, ele sustenta que sacrifícios serão necessários.

“Se a pandemia faz a segunda onda, com mais de 1,5 mil, 1,6 mil, 1,3 mil mortes, saberemos agir com o mesmo tom decisivo, mas temos que observar se é o caso ou não”, disse. Para o ministro, o momento é de monitoramento para avaliação se o aumento nos índices ocorreu em função de eventos externos, como as eleições municipais e as festas de fim de ano, ou se seria um sinal mais sustentado de piora.

“Se a doença volta, temos um protocolo de crise, que foi aperfeiçoado”, acrescentou o comandante da equipe econômica, explicando que o protocolo estaria previsto numa cláusula de calamidade pública na PEC do pacto federativo, travando todas as despesas e dedicando recursos a um auxílio emergencial.

De acordo com o ministro, o “botão” poderia ser acionado em caso de avanço da pandemia ou se o governo fracassar no plano de vacinação e até em situações futuras de calamidade pública.

PUBLICIDADE

Mas ele sustentou que a medida terá um preço e deverá ser avaliada cuidadosamente. “Não é só pegar o dinheiro e sair correndo. Tem que fazer todo o sacrifício”, disse.

Imunização privada

Outro aceno feito pelo mandatário aos empresários veio com a assinatura de uma carta de intenções autorizando negociação direta entre o setor privado e farmacêuticas para a aquisição de vacinas.

O acordo prevê que metade das doses adquiridas sejam doadas ao Sistema Único de Saúde (SUS) para o Programa Nacional de Imunização (PNI) e o restante possa ser usado pelas companhias para a imunização de colaboradores.

“Assinamos carta de intenção para que 33 milhões de doses de Oxford viessem a custo zero para o governo. E metade entraria para o SUS, seguindo aqueles critérios. E outros 16,5 milhões fossem para elas”, disse Bolsonaro na teleconferência.

“O governo federal é favorável para esse grupo de empresários trazer as vacinas a custo zero”, reforçou, ao lado dos ministros Paulo Guedes (Economia) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

A medida é considerada polêmica e foi classificada por críticos como uma espécie de “fura fila” no plano nacional, o que poderia implicar em privilégios aos mais ricos em detrimento aos mais pobres, tendo em vista a disputa internacional e o acesso limitado aos imunizantes.

O ministro Paulo Guedes defendeu a iniciativa, argumentando ser uma contribuição das companhias com o plano de vacinação e um investimento na volta segura ao trabalho. Na avaliação do chefe da equipe econômica, o setor privado vai acelerar o processo de vacinação em massa – que ontem (25) ele disse ser “fator crítico de sucesso para o bom desempenho da economia”.

“Quando os empresários estão querendo buscar a vacina, as pessoas vão dizer ‘quem tem dinheiro que vai se vacinar’. Por isso, o presidente disse que para cada um vacinado, tem que entregar uma vacina para o SUS. Isso é uma volta segura ao trabalho. Não é furar fila. 16 milhões para um lado, 16 milhões para o outro”, disse.

PUBLICIDADE

No evento, Bolsonaro também modulou seu discurso geral em relação às vacinas, ao dizer que sempre se posicionou favoravelmente ao uso de imunizantes autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e defender uma ampla vacinação da população.

“Brevemente estaremos entre os primeiros lugares para dar mais conforto à população, segurança a todos e de modo que a nossa economia não deixe de funcionar”, disse o presidente, que por diversas vezes questionou a eficácia dos imunizantes e incentivou o uso de medicamentos sem eficácia comprovada como tratamento precoce da Covid-19.

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.