Análise

A inusitada ajuda que Michel Temer pode receber do PT para sobreviver na presidência

Para garantir o quórum necessário para o início da votação da denúncia, o governo pode contar com um auxílio inesperado e que já incomoda outras alas da oposição

SÃO PAULO – Nem a oposição nem o governo têm o apoio de 342 deputados, quórum necessário para que a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer seja realizada no plenário da Câmara. Para o peemedebista, seria importante liquidar rapidamente a fatura e por um placar que reflita alguma tranquilidade. Já os adversários do presidente têm a opção de jogar com a falta de quórum e manter a faca em seu pescoço enquanto não conquistam 2/3 da casa. Nesse sentido, o desfecho poderia se arrastar para além do esperado 2 de agosto.

A ameaça dos chamados “fatos novos” e a expectativas por novas denúncias a serem apresentadas pelo procurador-geral Rodrigo Janot jogam contra o governo e inspiram movimento de celeridade. Foi nesse contexto que começou a ser discutida nos bastidores a possibilidade de o peemedebista negociar a presença de membros da base aliada na sessão mesmo que não seja para votar pela rejeição da abertura do processo. A manobra é arriscada e pode ensejar uma ruptura na base do governo. É o que explicamos no vídeo abaixo, a partir dos 8 minutos e 52 segundos:

PUBLICIDADE

  

“O governo não pode pagar com a mesma moeda um deputado que votou a seu favor e alguém que votou contra”, observa o analista político Paulo Gama, da XP Investimentos. Para ele, as fissuras da base serão ainda mais expostas nesse episódio, embora seja esperada uma vitória do governo na primeira denúncia. “Ou Janot apresenta algo novo ou a tendência é o governo se manter”, complementa Richard Back, também da equipe de análise política da XP. Ele chama atenção para uma brutal redução no tamanho da base aliada, ao passo que contar com o apoio de 172 parlamentares não significa tarefa tão complexa.

Para garantir o quórum necessário para o início da votação, o governo pode contar com uma ajuda inusitada. Em conversa com o portal Poder360, o líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini (SP), disse que pode fechar acordo com o governo para dar quórum à votação da admissibilidade da denúncia contra o presidente. A estratégia, segundo ele, é, mesmo que não obtenha êxito na queda do peemedebista, conquistar uma vitória política expondo os parlamentares que defenderem o atual governo. “Acho que não temos. Mas queremos que eles se exponham. Desejamos que mostrem a cara aqueles que defendem a permanência do Temer. E vamos divulgar esses nomes. Trabalhar nas bases deles”, afirmou.

Tal postura, no entanto, incomoda outras alas da oposição. As suspeitas são de que os petistas fazem um jogo duplo e o partido, neste momento, estaria mais interessado em fazer Michel Temer sangrar até as eleições de 2018, o que fortaleceria o partido para as próximas eleições. Nesse sentido, o PT pode acabar oferecendo de bandeja a vitória ao atual governo. Vale lembrar que não necessariamente os parlamentares precisam votar a favor ou contra na ocasião. Ou seja: a estratégia de constrangimento adotada pelo partido pode ter efeitos limitados. Por outro lado, a abstenção não tende a ser suficiente, uma vez que a Câmara pode acabar deliberando três vezes denúncias contra o presidente.

De qualquer forma, mesmo que consiga derrubar rapidamente a denúncia com a inesperada ajuda da oposição, o governo não tende a recuperar sua força. “Com 172 deputados, o governo não aprova nem medida provisória. Então, vai se manter para quê e prometendo o quê para o próximo dia? Qual é a pauta?”, questiona Richard Back. “172 [votos] não é nenhum mistério. Agora, 250, 300, já começa a parecer, senão impossível, bastante improvável que o governo volte a ter em algum momento”, conclui.

Sendo assim, é cada vez menos provável um fortalecimento do governo capaz de garantir a retomada da agenda de reformas, sobretudo com a aproximação do calendário eleitoral e com a necessidade de o Congresso tocar a reforma política até outubro. Por outro lado, a vulnerabilidade diante de fatos desconhecidos que ainda podem ser apresentados deixam o cenário extremamente incerto.

A volta do recesso parlamentar promete muita movimentação.