Mostra Datafolha

45% dos deputados quer renúncia de Cunha; Congresso ainda “esconde jogo” sobre impeachment

Para 45% dos deputados, Cunha deveria renunciar ao cargo, um quarto dos entrevistados disse que ele deve continuar e 30% não se posicionaram; Datafolha também questionou congressistas sobre impeachment de Dilma

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Pesquisa feita pelo Instituto Datafolha com 324 deputados (63% da Câmara) divulgada hoje pelo jornal Folha de S. Paulo mostrou que quase metade dos deputados defende a renúncia do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). 

Para 45%, Cunha deveria renunciar ao cargo, um quarto dos entrevistados disse que ele deve continuar e 30% não se posicionaram.

Ao serem indagados sobre a hipótese de votar pela cassação de Cunha, 52% preferiram não se pronunciar; 35% votariam a favor da cassação do depurado e 13% votariam contra. 

Aprenda a investir na bolsa

Impeachment
O Datafolha também questionou as opiniões de deputados e senadores a respeito da possibilidade de um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. “Os resultados sugerem que nem a oposição nem o governo teriam garantidos os votos necessários para decidir a abertura de um processo de afastamento da petista se a questão fosse levada ao plenário da Câmara”, afirma.

Entre os deputados participantes da consulta, 39% disseram que votarão a favor da abertura do processo se a questão for levada ao plenário da Câmara, enquanto outros 32% afirmaram que votarão contra.

Já no Senado, 43% sinalizou que votará contra o afastamento da presidente, 37% dos consultados se declaram a favor do impeachment e 20% não se posicionaram. 

O Datafolha lembra que ,devido às características do Congresso, a pesquisa tem limitações que não existem num levantamento de opinião pública convencional, destacando que todos os congressistas foram procurados, mas 37% não quiseram participar. “Há um número significativo de parlamentares escondendo o jogo”, diz Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha. “Os resultados finais indicam tendências gerais, mas não são representativos do total do Congresso”, completa.

O levantamento foi feito entre os dias 19 e 28 de outubro, ouvindo 375 parlamentares: 324 deputados e 51 senadores.